Três razões para apoiar Pedro Passos Coelho
21.03.2010
Zita Seabra

Pedro não tem pressa, sabe esperar. É sereno, mas firme, dois traços essenciais à garantia de estabilidade que o PSD precisa.

O Único candidato que fala do concreto quando se refere a empresas e a trabalhadores ou a empresários e não tem o ridículo complexo do sector público e privado

Eu apoio Pedro Passos Coelho nas eleições que decorrem no PSD. Sem hesitar, defini o meu voto por diversas razões, das quais enuncio três. Duas questões políticas e uma pessoal.

Começo pelas políticas.

O PSD precisa de estabilidade, e só a encontrará num líder seguro, preparado, que goste do partido e dos militantes, que se sinta bem no país, que se identifique com o PSD. Nada poderá continuar a trazer mais instabilidade ao partido do que ser dirigido por um presidente que não sinta o seu pulsar, e olhe sobranceiramente para os militantes que fazem a base de militância do PSD ou das suas estruturas nacionais ou locais - não direi do alto de um pedestal, mas pelo menos à distância de alguns degraus.

A estabilidade é a única garantia de que o PSD delineia uma estratégia que não se reduza a meros tacticismos definidos a cada momento, tendo como limite temporal a semana que passa. Pedro Passos Coelho demonstrou isso mesmo. Não tem pressa, sabe esperar, não se precipita, não corre atrás de foguetes e de holofotes em pequenas correrias a golpes de passo curto - o que tem vindo a marcar o PSD. É sereno, mas firme, dois traços essenciais à garantia de estabilidade na liderança de que o PSD precisa.

Em segundo lugar, o PSD precisa, em minha opinião, de um presidente capaz de definir uma estratégia para o século XXI, que tenha ideias claras sobre a saída da crise que de momento ainda não se resolveu internacionalmente e que vai levar mais tempo a resolver no país. Não precisamos de slogans políticos, de sound bites, de achados de retórica ditos serenamente ou gritados, e gritados no Parlamento ou na rua ou nos comícios ou nos congressos. Eu pessoalmente - e creio que comigo muito boa gente - acho que o país precisa de soluções políticas e económicas serenas, de bom senso e urgentes. Muitos dos nomes marcantes que fizeram a história do PSD e vivem na memória dos seus militantes foram os que serena e firmemente souberam equacionar soluções políticas e económicas para a gravíssima crise por que o país passou nos anos 70. Agora, como tem dito Pedro Passos Coelho, as soluções são outras, pressupõem olhar para o futuro com todas as novidades de um Mundo globalizado que nenhuma outra crise anterior conheceu.

Para poder fazê-lo precisamos de quem tenha a experiência e a vida de empresa, e não a teoria dos telejornais. Um dos erros do PSD nas últimas soluções de direcção foi mesmo esse. Pedro Passos Coelho foi da "Jota" para o trabalho na empresa e não conhece o mundo laboral da teoria de o ver nas manifestações do telejornal. Por isso, é o único candidato que fala do concreto quando se refere a empresas e a trabalhadores ou a empresários, e não tem o ridículo complexo do sector público e do privado ou das pequenas e médias empresas contra o papão das grandes. O PSD não precisa de um líder que faça ataques radicais ao eng.º Sócrates, precisa (como recentemente ouvi a Passos Coelho) de quem desenhe uma alternativa política e económica credível à política do Partido Socialista de Sócrates.

Por último, eu apoio Pedro Passos Coelho porque um dia, por acaso, um daqueles acasos que não esperamos, conheci a sua família. Fui apresentar um livro editado pela Fronteira do Caos, e escrito pelo seu pai, o dr. António Passos Coelho, médico muito conhecido em Vila Real, um livro com histórias de mulheres, daquelas histórias que o Namora escreveu e que só um médico é capaz de pôr no papel. Caí de repente no meio da família e sobre eles lancei o olhar. Conheci a mãe que dedicou toda a vida ao filho com paralisia cerebral, a irmã médica, a Laura, sua mulher, e vi a forma como todos se ajudam no drama da doença profunda que marca uma família - e só com muita entreajuda se consegue ter a alegria que encontrei. Uns pais que recomeçaram a vida quando vieram de uma ex-colónia e regressaram à casa que já não existia. Numa noite fria, gelada de Dezembro, encheu-se uma sala para apresentar um livro, o que só acontece quando muitos gostam de nós (mais, provavelmente, do que do que escrevemos).

Ficou-me na memória esse fim-de-semana em Vila Real, e aconteceu-me muitas vezes na vida que quando caímos assim no meio de uma família vemos com outros olhos os que conhecíamos dos discursos da política. Também por isso, e desde esse dia, Pedro Passos Coelho tem o meu apoio.

ver todos os artigos do autor
 



foto Global Imagens

Videovigilância no Bairro Alto ajudou polícia a detetar mais crimes

 
Os valores da criminalidade no Bairro Alto, em Lisboa, subiram no ano passado face a 2013, devido ao sistema de videovigilância ali instalado, que permitiu detetar mais crimes, informou a Polícia de Segurança Pública.
 
 
Cartoon Elias o sem abrigo de R. Reimão e Aníbal F. 23-05-2015

Presidente do Penafiel colocou lugar à disposição

O presidente do Penafiel colocou o lugar à disposição após o último encontro do campeonato, frente ao F.C. Porto, e depois de não ter cumprido o objetivo proposto e que passava pela manutenção na I Liga de futebol.

Forte sismo de magnitude 6,8 nas Ilhas Salomão

Um forte sismo de magnitude 6,8 na escala de Richter atingiu as Ilhas Salomão ao início da madrugada deste sábado, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Quase 167 mil idosos recebiam complemento solidário em abril

O número de idosos a receber o Complemento Solidário era de 166814 em abril, menos 2143 do que em março e menos 27060 do que em relação ao período homólogo de 2014.

Confrontos no México causam 39 mortos

Confrontos entre civis armados e agentes da polícia causaram a morte de 39 pessoas, no ocidente do México, uma região que é palco de violência associada ao tráfico de drogas.

Número de casais desempregados baixou 6,9% em abril

O número de casais em que ambos os cônjuges estavam em abril registados como desempregados foi de 11513, o que representa uma diminuição de 6,9% em relação a abril de 2014 e de 3,1% relativamente a março de 2015.

Menos desempregados inscritos nos centros de emprego

O número de desempregados registados nos centros de emprego desceu 2,9% em abril, em relação a março, e 14,2% face a abril de 2014, totalizando 573382.

Inquérito

O Benfica é um justo campeão nacional?

Sim
Não

Dossiês

Fisco sem controlo
Fisco sem controlo
A detenção de Sócrates
A detenção de Sócrates
Português atual
Português atual

Continente Uva d'Ouro 2015 - JN 300x100
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
PEPE Fazemos Bem - JN Destaque300x100
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - JN Destaque
BT Edições Multimédia
 
1ª Liga
1|Benfica82
2|FC Porto82
3|Sporting73
4|Sp. Braga55
5|V. Guimarães52
6|P. Ferreira47
7|Belenenses45
8|Marítimo44
9|Nacional44
10|Rio Ave43
11|Moreirense40
12|Estoril37
13|Boavista34
14|Académica29
15|V. Setúbal29
16|Arouca28
17|Gil Vicente23
18|Penafiel22

Serviços


22º 15º
HOJE, 23 de Maio

Amanhã22º |16º
Segunda23º |16º
Terça23º |16º
Quarta24º |16º

 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled