O Porto no Mundo pela mão da arquitectura
02.05.2010
Manuel Correia Fernandes

Nicolau Nasoni, John Carr, Gustav Eiffel, Teófilo Seyrig, Barry Parker, Giovanni Muzzio, Marcello Piacentini, Robert Auzelle, Manuel Sollà-Morales ou Rem Koolhas são alguns dos mais notáveis arquitectos estrangeiros que, nos últimos dois séculos, deixaram a sua marca no Porto. Significa, isto, que o Porto foi, e ainda é, uma cidade que muitos causticam como provinciana nos comportamentos mas que, na realidade, se afirma tranquilamente cosmopolita nos seus actos, aberta ao Mundo e capaz de lidar com outras formas de pensar e de se pensar a si própria. Em muitos casos, as obras que realizou atingiram mesmo o sublime e foram já elevadas à rara categoria de "ícones" da cidade como acontece com a torre de Nasoni e a ponte de Eiffel. Como se sabe, Nasoni desenhou, em 1748, a belíssima Igreja dos Clérigos, cuja imponente torre é um dos símbolos maiores da cidade, e Eiffel projectou e dirigiu as obras da Ponte de D. Maria, entre 1876/1877. Trata-se, igualmente, de outro dos emblemas do Porto e, sem dúvida, de uma das mais belas e celebradas pontes do Mundo. Contudo, não muito longe, no espaço e no tempo, uma outra, a originalíssima e também monumental Ponte de Luís I (1886), é igualmente metálica mas de dois tabuleiros, é oriunda do traço de outro estrangeiro que foi o belga Teófilo Seyrig e identifica também a cidade.

Mas, a obra de estrangeiros (notáveis) na cidade, não fica por aqui. Com efeito, ainda no século XVIII e ao mesmo tempo que Nasoni concebia a igreja e a sua torre, outro estrangeiro, o inglês John Carr, era chamado a desenhar o monumental Hospital de Santo António (1779), implantado ali muito perto e, seguramente, um dos mais belos e notáveis edifícios que a cidade construiu. Depois, e já com a República implantada, as primeiras vereações republicanas da edilidade portuense lançam mãos à obra que se destinava a marcar a mudança política com a consequente e desejada modernização da cidade que se consubstanciava na abertura da Avenida dos Aliados, em substituição e prolongamento, para Norte, da sereníssima Praça Nova, onde hoje é Praça da Liberdade e onde se localizava, até então, a sede do Município. Para isso, e uma vez mais, a cidade chama um estrangeiro, o inglês Barry Parker, que projecta o novo centro cívico do Porto, ainda que a forma definitiva, e até mais arrojada e generosa, lhe venha a ser dada já por arquitectos portugueses como Marques da Silva e Correia da Silva.

Depois, já em tempo de Estado Novo (1930/40) e no âmbito das boas relações que o regime detinha com a Itália de Mussolini, são chamados a trabalhar em Portugal mais dois arquitectos estrangeiros: os italianos Giovanni Muzzio e Marcello Piacentini. Ocupam-se, então, dos planos de expansão da cidade, propondo novos traçados que rasgam a sua compacta e antiga malha urbana, dando novos horizontes à importante rede de lugares e edifícios monumentais que a estruturam. Ainda em tempo de ditadura, mas já nos anos 50 e 60, é, de novo, um estrangeiro, o urbanista francês Robert Auzelle, que vai assumir o encargo de elaborar o Plano Director da cidade (1963), segundo o qual o Porto finalmente se organiza até que um novo plano o irá substituir, já na década de 90. Então, mais dois arquitectos estrangeiros vão deixar na cidade a marca do seu cosmopolitismo. Um, é o catalão Solà-Moralles (1997) que irá dar corpo ao ambicioso projecto de ligação do Parque da Cidade ao mar, desenhando, para o efeito, e para além do Edifício Transparente, o esbelto viaduto que o ampara e o subtil passeio marítimo da Avenida de Montevideu que lhe dá sequência. O outro, é o arquitecto holandês Rem Koolhas que, por via do concurso internacional aberto pela "Porto 2001", vai projectar e construir a impressionante Casa da Música (1998), que constitui, já hoje, um dos mais impressivos sinais da modernidade da cidade que, com a obra de Siza - afinal, o mais "estrangeiro" dos arquitectos portugueses - coloca o Porto e Portugal nas rotas da arquitectura do Mundo.

ver todos os artigos do autor
 



foto Global Imagens

Patrão e funcionárias salvam as máquinas

ROBERTO BESSA MOREIRA
Viveram-se momentos de tensão, ao longo do dia de quinta-feira, numa fábrica têxtil situada em Campo, Valongo. Veja as imagens.
 
 
Cartoon Elias o sem abrigo de R. Reimão e Aníbal F. 31-07-2015

EUA espiaram Governo, empresas e banco do Japão

Os EUA espiaram responsáveis governamentais japoneses, empresas e o governador do Banco do Japão, anunciou esta sexta-feira o site WikiLeaks.

Caixabank com lucros de 708 milhões de euros no primeiro semestre

O banco catalão Caixabank, maior acionista do português BPI, registou lucros de 708 milhões de euros no primeiro semestre, um crescimento de 75% face ao semestre homólogo de 2014, foi anunciado esta sexta-feira.

Talibãs anunciam mulá Akhtar Mansour como novo líder

Os talibãs anunciaram, esta sexta-feira, que o mulá Akhtar Mansour foi nomeado novo líder do movimento, um dia depois de rebeldes terem confirmado a morte do mulá Omar.

Surfista atacado por tubarão fica em estado grave

Um surfista ficou em estado grave após ser atacado por um tubarão numa praia da costa leste da Austrália, no estado de New South Wales.

Inquérito

A devolução da sobretaxa de IRS é uma medida eleitoralista?

Sim
Não

Dossiês

Regata Barcos Rabelo
Regata Barcos Rabelo
A detenção de Sócrates
A detenção de Sócrates
Português atual
Português atual

Emirates Microsite 15destinos destaque JN
Praia a Praia TSF - Destaque JN
PEPE Fazemos Bem - JN Destaque300x100 (Bial)
 

Serviços


23º 14º
HOJE, 31 de Julho

Amanhã25º |15º
Domingo22º |13º
Segunda23º |15º
Terça22º |14º

 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled