JN

Saber não ouvir

Publicado

 

Devo ser dos poucos portugueses que não conseguem ter opinião peremptória sobre as causas e modos de combater os incêndios florestais. Esta minha hesitação vem desde que, há 27-anos-27, organizei e reportei, no 'Diário de Notícias', uma mesa-redonda com algumas das pessoas mais habilitadas sobre o assunto, e verifiquei que, desde então, poucas dúvidas e controvérsias foram superadas pelos especialistas e decisores.

Para dar um exemplo: quando então se falou na «limpeza das matas», alguém conhecedor explicou, branda e pedagogicamente, que é preciso muito cuidado e ciência, porque o subbosque é uma garantia de manutenção da humidade dos terrenos e da sobrevivência das árvores. Não se pode «limpar» a eito.

Limpar as matas exige conhecimentos, sabedoria. É, pois, uma tarefa muito mais adequada aos infatigáveis cérebros dos deputados do CDS do que aos semianalfabetos beneficiários do rendimento mínimo. Tal como acredito que estes, se fossem deputados, produziriam muito mais ideias para pôr outros a trabalhar sem paga do que os prodigiosos criativos de Paulo Portas.

Como jornalista, de incêndios, sei o que dizem o bom senso e os psicólogos que estudam o assunto, em matéria de divulgação de imagens: é preferível mostrar o que ficou queimado do que aquilo que está a arder, para não entusiasmar os doentes da piromania. E que não devem ser estimulados sentimentos de pânico, vingança e ódio cego entre as testemunhas dos fogos, evitando dar-lhes a palavra ao vivo e em directo, sem nos asseguramos do princípio deontológico de só entrevistar pessoas em condições de serenidade e responsabilidade.

Esta prudência tem a ver com as vítimas desesperadas, mas igualmente com os mirones e outros que fazem da mediatização o seu modo de vida. A prevenção de não ouvir nem dar voz estende-se, por exemplo, àquele presidente de câmara que defendeu, quiçá entontecido pela fumaça da floresta, que os incendiários deviam ser obrigados, como medida acessória da pena, a ajudar a apagar os incêndios. Não se sabe se o condenado deveria apagar o fogo que ateou - o que levaria o tribunal a interditar a acção dos bombeiros durante três a seis anos, para que o suspeito o fosse apagar, quando transitada a sentença em julgado - ou se de futuros incêndios, algo como reeducar uma raposa obrigando-a a guardar a fauna sobrevivente do galinheiro que depredou.

E quais as penas principais e acessórias para os assim-chamados responsáveis que fazem declarações incendiárias na vertigem do populismo mediático?

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Deco esteve à conversa com os leitores do JN

VER VÍDEO




Canoistas ficam presos no dorso de uma baleia
Pai e filha estavam a andar de caiaque na costa de Puerto Madryn, Argentina, quando foram levantados por duas baleias no...

Quem vence as primárias no PS?

António Costa
António José Seguro
 

 
VER GALERIA
foto Tony Dias/Global Imagens

Agricultores oferecem batatas e leite como forma de protesto

Dezenas de agricultores manifestaram-se, esta quinta-feira, contra a atual situação do setor, em frente a uma superfície comercial, no centro de Aveiro. Os produtores deram centenas de quilos de batatas e de leite às pessoas na rua para que pudessem comprovar a qualidade dos seus produtos.

   
 
Mais Notícias

Ricardo Salgado afirma "total disponibilidade para colaborar com a justiça"

O ex-presidente do BES, interrogado esta quinta-feira, pelo juiz Carlos Alexandre no decurso do processo Monte Branco, manifestou a sua "total disponibilidade para colaboar com a justiça no apuramento da verdade", como "já o fez" há dois anos.

Medo de andar de avião aumentou nas últimas semanas

Marta Lago
O número de pessoas a precisar de ajuda para combater o medo de andar de avião tem aumentado nas últimas semanas. O impacto dos acidentes aéreos (18 desde o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines em março) tem provocado a afluência a centros de ajuda, como é o caso da Clínica "Voar Sem Medo", sediada em Lisboa.

Música e fantasia ao pôr-do-sol nos Clérigos

O "Garden", no Jardim das Oliveiras, no Porto, organiza, sábado, uma dupla festa com o objetivo de celebrar a música de dança. Os participantes estão convidados a levar uma fantasia ou a criar uma indumentária própria, para uma espécie de Carnaval de verão.

Geraldes vive "oportunidade única" no Sporting

Luís Mota
O lateral contratado aos Istambul BB, André Geraldes, garantiu, esta quinta-feira, aos jornalistas que quando chegou a proposta do Sporting nem sequer pestejanou, aceitou logo.

Costa formaliza candidatura terça-feira com Carlos César a mandatário nacional

O dirigente socialista António Costa formaliza na terça-feira a candidatura às eleições primárias do PS, ato em que estará acompanhado pelo mandatário nacional, Carlos César, ex-presidente do Governo Regional dos Açores.

Banco de Portugal e CMVM avançam com auditoria conjunta ao BES

O Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários vão avançar com uma auditoria conjunta sobre as atividades desenvolvidas pelo BES e outra entidade do grupo, segundo um documento confidencial a que a Lusa teve acesso.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100

Cofidis 300x100 (CTR_FOR_Destaque_v1)
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 22ºC
  • 17ºC
  • HOJE
  • 24ºC
  • 18ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled