JN

Saber não ouvir

Publicado

 

Devo ser dos poucos portugueses que não conseguem ter opinião peremptória sobre as causas e modos de combater os incêndios florestais. Esta minha hesitação vem desde que, há 27-anos-27, organizei e reportei, no 'Diário de Notícias', uma mesa-redonda com algumas das pessoas mais habilitadas sobre o assunto, e verifiquei que, desde então, poucas dúvidas e controvérsias foram superadas pelos especialistas e decisores.

Para dar um exemplo: quando então se falou na «limpeza das matas», alguém conhecedor explicou, branda e pedagogicamente, que é preciso muito cuidado e ciência, porque o subbosque é uma garantia de manutenção da humidade dos terrenos e da sobrevivência das árvores. Não se pode «limpar» a eito.

Limpar as matas exige conhecimentos, sabedoria. É, pois, uma tarefa muito mais adequada aos infatigáveis cérebros dos deputados do CDS do que aos semianalfabetos beneficiários do rendimento mínimo. Tal como acredito que estes, se fossem deputados, produziriam muito mais ideias para pôr outros a trabalhar sem paga do que os prodigiosos criativos de Paulo Portas.

Como jornalista, de incêndios, sei o que dizem o bom senso e os psicólogos que estudam o assunto, em matéria de divulgação de imagens: é preferível mostrar o que ficou queimado do que aquilo que está a arder, para não entusiasmar os doentes da piromania. E que não devem ser estimulados sentimentos de pânico, vingança e ódio cego entre as testemunhas dos fogos, evitando dar-lhes a palavra ao vivo e em directo, sem nos asseguramos do princípio deontológico de só entrevistar pessoas em condições de serenidade e responsabilidade.

Esta prudência tem a ver com as vítimas desesperadas, mas igualmente com os mirones e outros que fazem da mediatização o seu modo de vida. A prevenção de não ouvir nem dar voz estende-se, por exemplo, àquele presidente de câmara que defendeu, quiçá entontecido pela fumaça da floresta, que os incendiários deviam ser obrigados, como medida acessória da pena, a ajudar a apagar os incêndios. Não se sabe se o condenado deveria apagar o fogo que ateou - o que levaria o tribunal a interditar a acção dos bombeiros durante três a seis anos, para que o suspeito o fosse apagar, quando transitada a sentença em julgado - ou se de futuros incêndios, algo como reeducar uma raposa obrigando-a a guardar a fauna sobrevivente do galinheiro que depredou.

E quais as penas principais e acessórias para os assim-chamados responsáveis que fazem declarações incendiárias na vertigem do populismo mediático?

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Literatura norueguesa e russa

VER VÍDEO




Noivos oferecem iPhone em ouro aos convidados
Os convidados do casamento da filha do presidente da Nigéria receberam um iPhone de ouro como lembrança da cerimónia. O...

O Benfica chega à final da Liga Europa?  info

Sim
Não
 

 
foto José Mota/Global Imagens

Matosinhos quer candidatar-se em 2015 a Cidade de Design

O presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, apresentou, esta quarta-feira, a implementação da Quadra-District Design, iniciativa que pretende consagrar o concelho nesta área e permitir a candidatura, em 2015, a Cidade de Design, uma distinção da UNESCO.

   
 
Mais Notícias

Mãe de Luís Filipe Vieira faleceu esta noite

A mãe de Luís Filipe Vieira, Benvinda Ferreira, faleceu, esta quarta-feira à noite, durante o jogo no Estádio da Luz, ante o F. C. Porto. O presidente dos encarnados apenas foi informado no final da partida da triste notícia, tendo sido apoiado por todos de imediato.

Parlamento tem "gratidão sem limites" pelos capitães de Abril

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, quis "deixar claro" que "o carinho e a gratidão sem limites" que o Parlamento deve aos capitães de Abril nunca esteve em causa.

Detido suspeito de abusar de menina de 8 anos

A Polícia Judiciária de Aveiro anunciou esta quarta-feira a detenção de um homem, de 43 anos, suspeito de abusar sexualmente de uma menina de oito anos.

Taxar produtos nocivos não é só medida orçamental

O Ministério da Saúde considera que a ideia de taxar produtos nocivos para a saúde deve ser encarada mais como uma política para melhorar o estado de saúde da população do que como uma medida orçamental.

Jovem viveu nove anos numa garagem com um cão e um macaco

Uma adolescente viveu os últimos nove anos fechada numa garagem em Buenos Aires, capital da Argentina, tendo como única companhia um cão e um macaco.

Mafalda será estandarte de celebrações do Dia Mundial do Livro

Mafalda, a personagem de banda desenhada criada pelo argentino Quino há 50 anos, será o estandarte das celebrações do Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor da UNESCO, a 23 de abril.


Dossiês

40 anos do 25 de Abril
40 anos do 25 de Abril

/Dossies/dossie.aspx?dossier=40 anos da revolução de abril

Economia Social
Economia Social

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Economia Social


Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais

Roller Derby: Guerreiras sobre patins

Roller Derby: Guerreiras sobre patins

Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente UVA D'OURO 2014
Empreendedorismo
Amazing Romance in Thailand - JN Destaque (Participação)
fbem gif

banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 
 


Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Benfica (70)
2 - Sporting (63)
3 - FC Porto (55)
4 - Estoril (49)
5 - Nacional (41)
6 - Sp. Braga (35)
7 - V. Setúbal (34)
8 - Marítimo (34)
9 - Académica (33)
10 - V. Guimarães (31)
11 - Rio Ave (31)
12 - Gil Vicente (27)
13 - Arouca (25)
14 - Belenenses (24)
15 - P. Ferreira (23)
16 - Olhanense (21)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 21ºC
  • 14ºC
  • HOJE
  • 18ºC
  • 9ºC
  • AMANHÃ

 

Media Lab
destaque conselhoeditorial


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled