A geração nem-nem
21.12.2010
Paulo Ferreira

Os sociólogos espanhóis chamam-lhe, com rigor e acutilância, a "geração nem-nem". Quem a compõe? Pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 30 anos que não têm qualquer ocupação: nem trabalham, nem estudam. Quantos são em Portugal? No terceiro trimestre de 2010 eram 314 mil, segundo com os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Trata-se do valor mais alto dos últimos anos. Desde 2007, este batalhão aumentou em cerca de 30 mil!

Há, seguramente, uma miríade de explicações para este fenómeno que emcaminha pessoas para lugar nenhum. Se fosse possível, a análise caso a caso mostraria, com toda a certeza, que, no meio destes 300 mil indivíduos, coabitam preguiçosos e trabalhadores, gente que faz de tudo para ganhar a vida e gente que prefere a modorra dos dias e o guarda- -chuva dos apoios sociais, pessoas que se refugiam na degradação dos salários e do mercado laboral para justificaram a apatia e a indolência e pessoas que, apesar disso tudo e de muito mais, levantam a cabeça e, seguras do seu mérito, não abandonam a batalha...

Verdade que esta realidade não é um exclusivo português. Verdade que há imensos exemplos de pessoas dentro desta faixa etária que, com arte, engenho e suor, conseguiram escapar a esta miserável estatística. Verdade que, hoje, os jovens estão mais preparados para fugirem, se quiserem, aos apelos do facilitismo. Mas é verdade também que as condições em que o país vive - e viverá durante muitos anos, se o juízo assomar à cabeça dos nossos líderes políticos, empresariais e sindicais - não auguram nada de bom.

Os empregos não brotarão. O mercado laboral não aguentará a rigidez que hoje mantém. O acesso aos serviços de saúde e à educação deixará de ser tão descaradamente fácil, para alguns. Os subsídios e apoios sociais tenderão a diminuir. Ou seja: o Estado, exaurido como está, tem que se reinventar - e não se reinventará mantendo- -se como inesgotável fonte de ajudas para os que mais precisam e para os que, precisando, podem lutar mais para deixar de precisar.

De modo que a "geração nem-nem" tenderá a engrossar a estatística. A menos que, em bom português, faça pela vida. O primeiro e inescapável facto a ter em conta é este: a breve prazo, o Estado não os poderá sustentar.

ver todos os artigos do autor
 



foto Pedro Correia/Global Imagens

"Vi a avioneta rodar e cair a pique no chão"

ANA CORREIA COSTA*
"A avioneta caiu a 100 metros de mim. Há um buraco no chão a provar o embate." O testemunho de um morador de Água Longa, Santo Tirso, chega com a voz embargada. Sem se identificar, o homem contou ao JN o que tinha presenciado, pouco depois das 19 horas de terça-feira.
 
 
Cartoon Elias o sem abrigo de R. Reimão e Aníbal F. 27-05-2015


Inquérito

Concorda com cortes nas reformas para garantir a sustentabilidade do sistema de pensões?

Sim
Não

Dossiês

Fisco sem controlo
Fisco sem controlo
A detenção de Sócrates
A detenção de Sócrates
Português atual
Português atual

Continente Uva d'Ouro 2015 - JN 300x100
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
PEPE Fazemos Bem - JN Destaque300x100
NOS ConferênciaPrémioInovaçãoNOS - JN Destaque
BT Edições Multimédia
 
1ª Liga
1|Benfica85
2|FC Porto82
3|Sporting76
4|Sp. Braga58
5|V. Guimarães55
6|Belenenses48
7|Nacional47
8|P. Ferreira47
9|Marítimo44
10|Rio Ave43
11|Moreirense43
12|Estoril40
13|Boavista34
14|V. Setúbal29
15|Académica29
16|Arouca28
17|Gil Vicente23
18|Penafiel22

Serviços


25º 16º
HOJE, 27 de Maio

Amanhã25º |14º
Sexta24º |13º
Sábado21º |13º
Domingo20º |13º

 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled