JN

Triste marco histórico

Publicado

 

No passado dia 18 de Janeiro foi assinado, com enorme dose de propaganda enganosa, o acordo "Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego", subscrito pelo Governo, pelas confederações patronais e pela UGT. Passos Coelho afirmou em Setembro (na festa do PSD), que convidava os parceiros sociais para um processo de concertação social com vista a "credibilizarem os sacrifícios necessários". Entretanto, o Governo vem apresentando aos portugueses o conteúdo do memorando da troika como o "interesse do Estado".

Na assinatura do acordo, Passos Coelho disse que os subscritores conseguiram "ser mais audaciosos, mais inovadores e mais audazes" do que aquilo que estava nas pretensões da troika e considerou o dia 18 de Janeiro como "dia histórico".

Já na véspera, "o Álvaro" tinha expressado a sua douta interpretação do feito alcançado: "Portugal mostra ao Mundo, aos mercados... que estamos a lançar as bases para vencer a crise", acrescentando que "o país sai daqui com um acordo que reforça a competitividade da economia nacional e em que se lançam as bases para o crescimento económico".

Quais os conteúdos concretos que levam o ministro a fazer tais afirmações?

Afinal, o que é histórico neste acordo? O facto de serem as exigências internacionais de credores e agiotas a balizá-lo?

A designação do acordo foca o crescimento, a competitividade e o emprego, mas as medidas que inscreve são absolutamente residuais nestas áreas. Dali não vêm compromissos sérios para assegurar crescimento ou melhoria da competitividade.

É urgente análise e debate qualificado entre economistas e outros especialistas destas matérias para se pôr a nu a fraude da designação do acordo e o vazio das propostas no que diz respeito a soluções para a nossa economia.

Governo e patrões priorizam os interesses dos accionistas das empresas no acesso aos meios do Estado e reforçam a unilateralidade do poder dos patrões nas relações de trabalho, tentando apresentar essa "inovação e audácia" como factor de melhoria da competitividade.

Que competitividade é essa e a quem serve?

Esta semana, o presidente da CAP afirmava numa entrevista que "de há uns meses para cá o pacote laboral tem tomado conta de toda a negociação". E o presidente da CIP disse, no dia 18, ao "Diário de Notícias", que "de facto sai deste acordo um quadro mais penalizador para os trabalhadores".

O acordo corporiza um conjunto de compromissos para profundos cortes nos direitos laborais e sociais, propiciando a passagem de uma parte significativa da riqueza dos trabalhadores para os accionistas das empresas. O patronato aplaude porque lhe é favorável, mas sabem bem que isso não vai resolver os problemas estruturais da economia e das empresas.

Os trabalhadores, com a sua luta, com os seus argumentos, que importantes sectores da sociedade reconheceram justos, derrotaram a tentativa de imposição de 2,5 horas de trabalho forçado por semana, mas esse objectivo foi colocado à sociedade numa jogada ardilosa. Serviu de ameaça desmedida para que, no imediato, não se desse importância a um enorme conjunto de medidas gravosas que o Governo e os sectores patronais retrógrados querem impor aos trabalhadores, aos desempregados, aos reformados.

O acordo visa entregar aos patrões todo o poder para despedir, para alterar os horários a seu bel-prazer e generalizar a precariedade, para voltar a colocar o trabalho ao sábado, reduzir os salários e outras formas de retribuição, para destruir a contratação colectiva substituindo-a pela relação individual de trabalho, eliminar feriados e dias de férias, para diminuir a protecção social dos desempregados, fragilizar a Segurança Social e provocar um retrocesso social sem precedentes nas relações de trabalho, que contribuirá, desgraçadamente, para que o país continue a afundar-se.

Triste marco histórico este!

Mas o acordo não é lei!

Muitos travões se podem accionar se houver esclarecimento sobre os conteúdos concretos e mobilização dos trabalhadores e das forças sociais e políticas, designadamente, com a intervenção destas aquando da apresentação dos respectivos diplomas na Assembleia da República.

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Motos antigas foram as rainhas nos Aliados

VER VÍDEO




Cadela desmaia de felicidade ao reencontrar a dona
Um cadela desmaiou de felicidade ao reencontrar a dona, após dois anos de ausência. Afinal, em anos de cão, há 14 anos...

Quem vence as primárias no PS?

António Costa
António José Seguro
 

 
foto Paulo Jorge Magalhães / Global Imagens

Génio do Euromilhões precisa de dinheiro

EMÍLIA MONTEIRO
O único português escolhido para ir aos EUA apresentar um projeto inovador pode ficar em Braga por falta de dinheiro. Quer construir uma plataforma que aumenta 20 vezes a possibilidade de ganhar o Euromilhões. Nem a TAP lhe oferece a viagem.

   
 
Mais Notícias

ASPP satisfeita com garantias do ministro sobre suplementos na PSP

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia saiu satisfeito do encontro com o ministro da Administração Interna, depois de ter recebido a garantia de que a fusão de suplementos não trará reduções de ordenado na PSP.

Antigo membro do comité permanente do Partido Comunista Chinês sob investigação

Um antigo membro do comité permanente do Partido Comunista Chinês, principal órgão partidário, vai ser investigado "por graves violações da disciplina", uma expressão usada para casos de corrupção, anunciou, esta terça-feira, a agência oficial chinesa Xinhua.

Ordem defende cheques-dentista para diabéticos

A Ordem dos Médicos Dentistas quer que o programa do cheque-dentista seja alargado aos diabéticos, lembrando que é um grupo com riscos adicionais para problemas de saúde oral.

F. C. Porto vai abrir uma escola de futebol em Bogotá, na Colômbia

O F. C. Porto vai abrir uma escola de futebol "Dragon Force" em Bogotá, na Colômbia, "para o estreitar de relações com uma instituição colombiana", anunciou, esta terça-feira, o clube azul e branco.

Crédito concedido a famílias e empresas cai em junho

O crédito concedido às famílias caiu mais de 400 milhões de euros em junho para os 133345 milhões de euros, e os empréstimos atribuídos às empresas recuaram mais de 700 milhões de euros para os 96110 milhões.

António Costa acusa Seguro de não ser uma verdadeira alternativa

O candidato às primárias do PS António Costa acusou, esta segunda-feira à noite, a atual liderança do partido de não conseguir "deixar claro aos portugueses" de que é uma alternativa ao Governo e reafirmou que pretende conquistar uma maioria absoluta.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito



BT Edições Multimédia
Continente Uva d'Ouro - JN 300x100

Cofidis 300x100 27-31 julho
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 27ºC
  • 21ºC
  • HOJE
  • 28ºC
  • 18ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled