JN
Diretor Interino
Alfredo Leite

Triste marco histórico

Publicado

 

No passado dia 18 de Janeiro foi assinado, com enorme dose de propaganda enganosa, o acordo "Compromisso para o Crescimento, Competitividade e Emprego", subscrito pelo Governo, pelas confederações patronais e pela UGT. Passos Coelho afirmou em Setembro (na festa do PSD), que convidava os parceiros sociais para um processo de concertação social com vista a "credibilizarem os sacrifícios necessários". Entretanto, o Governo vem apresentando aos portugueses o conteúdo do memorando da troika como o "interesse do Estado".

Na assinatura do acordo, Passos Coelho disse que os subscritores conseguiram "ser mais audaciosos, mais inovadores e mais audazes" do que aquilo que estava nas pretensões da troika e considerou o dia 18 de Janeiro como "dia histórico".

Já na véspera, "o Álvaro" tinha expressado a sua douta interpretação do feito alcançado: "Portugal mostra ao Mundo, aos mercados... que estamos a lançar as bases para vencer a crise", acrescentando que "o país sai daqui com um acordo que reforça a competitividade da economia nacional e em que se lançam as bases para o crescimento económico".

Quais os conteúdos concretos que levam o ministro a fazer tais afirmações?

Afinal, o que é histórico neste acordo? O facto de serem as exigências internacionais de credores e agiotas a balizá-lo?

A designação do acordo foca o crescimento, a competitividade e o emprego, mas as medidas que inscreve são absolutamente residuais nestas áreas. Dali não vêm compromissos sérios para assegurar crescimento ou melhoria da competitividade.

É urgente análise e debate qualificado entre economistas e outros especialistas destas matérias para se pôr a nu a fraude da designação do acordo e o vazio das propostas no que diz respeito a soluções para a nossa economia.

Governo e patrões priorizam os interesses dos accionistas das empresas no acesso aos meios do Estado e reforçam a unilateralidade do poder dos patrões nas relações de trabalho, tentando apresentar essa "inovação e audácia" como factor de melhoria da competitividade.

Que competitividade é essa e a quem serve?

Esta semana, o presidente da CAP afirmava numa entrevista que "de há uns meses para cá o pacote laboral tem tomado conta de toda a negociação". E o presidente da CIP disse, no dia 18, ao "Diário de Notícias", que "de facto sai deste acordo um quadro mais penalizador para os trabalhadores".

O acordo corporiza um conjunto de compromissos para profundos cortes nos direitos laborais e sociais, propiciando a passagem de uma parte significativa da riqueza dos trabalhadores para os accionistas das empresas. O patronato aplaude porque lhe é favorável, mas sabem bem que isso não vai resolver os problemas estruturais da economia e das empresas.

Os trabalhadores, com a sua luta, com os seus argumentos, que importantes sectores da sociedade reconheceram justos, derrotaram a tentativa de imposição de 2,5 horas de trabalho forçado por semana, mas esse objectivo foi colocado à sociedade numa jogada ardilosa. Serviu de ameaça desmedida para que, no imediato, não se desse importância a um enorme conjunto de medidas gravosas que o Governo e os sectores patronais retrógrados querem impor aos trabalhadores, aos desempregados, aos reformados.

O acordo visa entregar aos patrões todo o poder para despedir, para alterar os horários a seu bel-prazer e generalizar a precariedade, para voltar a colocar o trabalho ao sábado, reduzir os salários e outras formas de retribuição, para destruir a contratação colectiva substituindo-a pela relação individual de trabalho, eliminar feriados e dias de férias, para diminuir a protecção social dos desempregados, fragilizar a Segurança Social e provocar um retrocesso social sem precedentes nas relações de trabalho, que contribuirá, desgraçadamente, para que o país continue a afundar-se.

Triste marco histórico este!

Mas o acordo não é lei!

Muitos travões se podem accionar se houver esclarecimento sobre os conteúdos concretos e mobilização dos trabalhadores e das forças sociais e políticas, designadamente, com a intervenção destas aquando da apresentação dos respectivos diplomas na Assembleia da República.

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Porto encheu-se de música e gente

VER VÍDEO




Japão cria sensor que deteta álcool ou drogas no sangue do condutor
Investigadores japoneses desenvolveram uma tecnologia que pode ser colocada no assento de um automóvel e detetar se o condutor...

Quem deveria ser selecionador nacional?

Fernando Santos
Jesualdo Ferreira
José Peseiro
outro
 

 

Chuva e nevoeiro obrigaram avião com destino à Madeira a aterrar nas Canárias

O nevoeiro e a chuva que se registam na ilha da Madeira obrigaram, esta segunda-feira, um avião da Finnair, que deveria aterrar no aeroporto do Funchal, a divergir para as Canárias.

   
 
Mais Notícias

EUA vão atacar defesa antiaéreas sírias se os seus aviões forem alvejados

Os EUA vão atacar as defesas antiaéreas da Síria, se os seus aparelhos forem alvejados durante operações dentro das fronteiras daquele país dirigidas contra os militantes do Estado Islâmico, avisou um dirigente norte-americano.

Associação de Famílias Numerosas congratula-se com proposta de reforma do IRS

A Associação Portuguesa de Famílias Numerosas congratulou-se, esta segunda-feira, com "a proteção das famílias com filhos a cargo" prevista na proposta de reforma do IRS, mas sugeriu que se vá mais longe nalguns pontos.

Isabel Moreira e Raquel Varela juntam-se a Moura Guedes

C.B.
Manuela Moura Guedes foi o primeiro nome a ser revelado para o programa de análise da sociedade portuguesa que vai estrear na RTP Informação, em outubro, com o nome "Barca do Inferno".

Jardim critica "politica de oligopólio" nos preços das tarifas aéreas

O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, considerou, esta segunda-feira, haver uma "política de oligopólio" na fixação dos preços das tarifas aéreas entre a Região e o continente.

Príncipe Harry completa 30 anos

A.C.
O príncipe Harry comemora o seu 30º aniversário esta segunda-feira, após o encerramento dos Jogos Invictus que organizou em Londres em benefício dos soldados feridos. Os aplausos da multidão durante o espetáculo de encerramento dos Jogos Invictus certamente contribuíram para tranquilizar a família Windsor. Efetivamente, as suas atividades humanitárias ajudaram a apagar a imagem de "palhaço da turma" como foi classificado pela cunhada Kate Middleton.

Villas-Boas considera empate positivo

André Villas-Boas, técnico do Zenit, assumiu, na tarde desta segunda-feira, que um eventual empate no encontro frente ao Benfica, inserido na primeira jornada da Liga dos Campeões, terça-feira, na Luz, será um resultado positivo.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100
BT Edições Multimédia

Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Futebol

Vídeos da Liga
Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Rio Ave (10)
2 - V. Guimarães (10)
3 - Benfica (10)
4 - FC Porto (10)
5 - Marítimo (9)
6 - Sp. Braga (7)
7 - Belenenses (7)
8 - Sporting (6)
9 - Moreirense (5)
10 - Arouca (4)
11 - P. Ferreira (4)
12 - Estoril (4)
13 - V. Setúbal (4)
14 - Nacional (3)
15 - Boavista (3)
16 - Académica (2)
17 - Gil Vicente (1)
18 - Penafiel (0)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 23ºC
  • 18ºC
  • HOJE
  • 21ºC
  • 17ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled