JN

Independência e privilégios

Publicado

 

O presidente do sindicato dos juízes foi à Assembleia da República dizer que a independência dos magistrados pode estar em causa se o governo lhes aplicar os cortes salariais previstos na proposta do Orçamento do Estado para todos os funcionários do estado. José Mouraz Lopes sublinhou que a «independência dos juízes é uma garantia da sua própria exclusividade» e que os magistrados «têm de ter uma capacidade económica, estatutária e financeira que permita dizer não, sem medo». Aproveitou ainda para apresentar aos deputados um conjunto de propostas relacionadas com os cortes salariais, o suplemento remuneratório nos turnos e as deslocações dos juízes.

Mouraz Lopes é um juiz desembargador de Coimbra, honesto e competente, que é respeitado e que, em geral, recolhe a simpatia das pessoas com quem se relaciona. Não se lhe conhecem atitudes ou decisões que envolvam desrespeito pelos advogados ou pelos cidadãos nos tribunais, bem pelo contrário. Por isso, surpreendeu a sua decisão de aceitar liderar a associação sindical dos juízes portugueses, ou seja, presidir a um sindicato de titulares do órgão de soberania tribunais, como se os juízes fossem trabalhadores por conta de outrem que actuam sob as ordens e a direcção de uma qualquer entidade patronal.

O sindicato dos juízes é um instrumento para subverter alguns dos princípios mais relevantes dos estados modernos, principalmente o da separação de poderes, pois, através dele os titulares de um órgão de soberania estão permanentemente a interferir e a pressionar outros poderes soberanos do estado. E, como quaisquer proletários, já chegaram ao ponto de fazerem greves, sem qualquer respeito pela dignidade das suas funções soberanas.

Mouraz Lopes deveria saber que há coisas que não podem ser ditas por quem possui determinadas obrigações sob pena de poderem assumir um significado diferente do que se lhes queria dar. A independência dos juízes não é um direito profissional deles, mas sim uma garantia dos cidadãos e do próprio estado de direito, pelo que não poderão os juízes transformá-la em moeda de troca de uma qualquer reivindicação «laboral». Dizer que a independência de um magistrado pode estar ameaçada se eles forem chamados a fazer sacrifícios iguais aos de todos os outros titulares de órgãos de soberania, assume objectivamente o significado de uma chantagem intolerável sobre o próprio estado de direito democrático.

A independência dos juízes, como a dos titulares de qualquer outra função do estado, depende da honestidade das pessoas e não daquilo que ganham ao fim do mês ou dos privilégios que possuem. Há pessoas que ganham pouco e até muito menos do que os juízes e são absolutamente independentes no exercício das suas funções. E mais: estão em situação de exclusividade e são mais independentes do que muitos juízes. Militares, polícias, titulares de funções de regulação e de supervisão também estão em exclusividade e não ameaçam alienar a sua independência. Será que o presidente da República e o Provedor de Justiça também vão perder a sua independência devido aos sacrifícios que lhe são exigidos?

É um sinal perigoso de disponibilidade para relativizar o próprio sentido genuíno da independência judicial andar a pedinchar regalias ao governo, ao parlamento ou a uma qualquer maioria política. É uma ameaça perigosa para a independência dos juízes quando estes vão ao Parlamento pedir privilégios aos deputados/advogados que lá estão.

Quem anda nos tribunais sabe bem que os juízes não são feitos de carne diferente da dos dirigentes políticos ou da de qualquer outro cidadão. Por isso, o que a actuação do sindicato dos juízes pode objectivamente significar é que eles estão disponíveis para espúrias alianças com o governo desde que este aceite as suas reivindicações. No fundo, o que os juízes portugueses poderão estar a tentar dizer, ao quererem ser isentados dos sacrifícios exigidos a todos os portugueses, é que estão disponíveis para «cooperarem» com o governo numa altura em que este vai precisar muito deles. Nunca será verdadeiramente independente quem anda a pedir privilégios a políticos. Não há almoços grátis!

ImprimirImprimirEnviarEnviarEstatísticas
Partilhar
 [?]
 
 
 

Invasão e mágoa em dia de prova de professores

VER VÍDEO




A deputada queixava-se das difamações e desrespeito
Erros ortográficos de deputada do PS geram polémica
Catarina Marcelino, deputada do Partido Socialista, escreveu um texto na página do Facebook com três erros ortográficos...

Quem vence as primárias no PS?

António Costa
António José Seguro
 

 
foto Teixeira Correia/JN

Um morto e dois feridos num choque em Portel

Teixeira Correia
Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas sem gravidade num choque que envolveu quatro veículos, esta quarta-feira, cerca das 12 horas, ao quilómetro 312 do IP2, perto da Serra do Mendro, em Portel. A vítima mortal ficou encarcerada num automóvel que foi atingido por um outro veículo que havia sido abalroado.

   
 
Mais Notícias

Eliseu confirma que vai assinar por três temporadas

Eliseu, ex-lateral do Málaga, afirmou esperar chegar a Portugal ao princípio da noite desta quarta-feira para realizar exames médicos e assinar um contrato válido com o Benfica até 2017.

Operação contra as FARC vitima 13 guerrilheiros

Uma incursão do exército colombiano em duas províncias do centro e leste do país provocou, esta quarta-feira de madrugada, a morte de 13 guerrilheiros das FARC e do ELN, e ainda 20 detenções, informou o Ministério da Defesa em Bogotá citado pela agência noticiosa Efe.

O que é que a Colômbia tem?

Jorge Fiel, na Colômbia
A TAP abriu a 1 de julho uma ligação direta de Lisboa a Bogotá, com quatro frequências semanais, mas um mês antes já tinha 13 mil bilhetes vendidos e por isso a armada portuguesa de uma centena de pessoas, de 56 empresas de vestuário e calçado, não puderam voar na transportadora aérea nacional para estarem presentes em Medellin na Colombia Moda, o maior certame do sector neste país da América Latina, que recebe 25 mil visitantes profissionais entre terça e quinta-feira.

Diretor-geral admite faltarem 700 guardas nas cadeias

O diretor-geral dos Serviços Prisionais disse, esta quarta-feira, que faltam 700 guardas nas cadeias, mas que a situação só será resolvida quando o Ministério das Finanças autorizar a abertura de concursos para novas contratações.

CPLP está a "correr grande risco" ao acreditar na Guiné Equatorial

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa "está a correr um grande risco" ao acreditar nas promessas de respeito dos direitos humanos do regime da Guiné Equatorial, alertou a organização "Human Rights Watch".

Peaches Geldof teve recaída antes de morrer

Carolina Morais
Nos últimos dois anos antes da sua morte, a filha de Bob Geldof tomou metadona para substituir a heroína. O marido contou que a jovem teve uma recaída e tomou heroína um mês antes de morrer.


Dossiês

Viseu a património da humanidade
Viseu a património da humanidade

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Viseu a património da humanidade

Português atual
Português atual

/Dossies/dossie.aspx?dossier=Português atual



Cartoon Elias o sem abrigo, de R. Reimão e Aníbal F

Especiais


Multimédia
Blogues
Inquérito



Continente Uva d'Ouro - JN 300x100

Cofidis 300x100 21-26 julho
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 
 

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 21ºC
  • 17ºC
  • HOJE
  • 23ºC
  • 16ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled