O sono desassossegado de Relvas
19.02.2013
Paulo Ferreira

O ministro Miguel Relvas anda com o sono trocado - e a culpa é da taxa de desemprego, sobretudo na componente que afeta os mais jovens. "São números preocupantes. O desemprego tira--nos o sono e é muito motivador para o trabalho que estamos todos os dias a desenvolver", disse o ministro quando, há dias, ficamos a saber que, oficialmente, estamos muito perto de um terrível número redondo: um milhão de desempregados.

O advérbio de modo "oficialmente" conta - e muito. Porque, na verdade, as contas que realmente interessam mostram que há em Portugal 1,2 milhões de pessoas sem trabalho. O que nos resta? "Temos de trabalhar, para que nos próximos anos possamos ultrapassar esta situação, em particular o desemprego jovem", disse o ministro. E acrescentou, pesaroso: "Penaliza-nos saber que há hoje uma geração de portugueses que estão muito bem preparados e que não têm emprego".

Não têm nem terão, nos próximos anos. Não sou eu que o digo: é o primeiro-ministro. Passos Coelho, naquele seu jeito eu-nunca--minto-podem-sempre-crer-no--que-eu- digo, apressou-se a confirmar que, antes de começar a melhorar, o desemprego ainda vai piorar. Quer dizer: Relvas vai mesmo ter de recorrer aos ansiolíticos para dormir melhor, porque o país precisa dele desperto, atento e de olho vivo... Tudo o que país não deseja é que Miguel Relvas entre numa espiral recessiva, para utilizar uma expressão maldita...

Sucede que, pelo andar da carruagem e apesar de todos os encómios que o Governo jura granjear lá fora, entre os iluminados que verdadeiramente entendem a tragédia que não sai da nossa porta e nos conduzirão, devagarinho, até ao sucesso, apesar disso não se vê como poderão dormir descansados os portugueses que, por estes dias, fazem contas e contas (sempre de subtrair) ao que lhes sobra para aguentar o que resta de mês.

A queda da riqueza que produzimos está em níveis dignos de um pesadelo. A queda do consumo interno está em níveis dignos de um pesadelo. As exportações deixaram de ser uma almofada segura - e sem boas almofadas não há sono retemperador. As despesas do Estado com o desemprego (aumento de 25% no primeiro semestre de 2012) estão em níveis dignos de um pesadelo. O tombo nas receitas fiscais é um dos pesadelos que mais incomodam o superministro das Finanças. E por aí fora, numa espiral que, se não é recessiva, deve andar lá muito, muito perto.

Não falta quem diga que o pesadelo não são os números - o pesadelo é o Governo. Talvez haja algum exagero nesta consideração, porque, voltando ao ministro Relvas, não vejo como pode o Executivo desenhar políticas que tiram o sono aos seus mais importantes ministros. Seria uma espécie de masoquismo de todo incompreensível. Ou não?

ver todos os artigos do autor
 



foto DR

Caiu ponte na Foz do Sousa

M.N.
Caiu uma ponte nesta manhã de quarta-feira, na freguesia de Foz do Sousa, em Gondomar.
 
 
Cartoon Elias o sem abrigo de R. Reimão e Aníbal F. 11-02-2016


Inquérito

Quem se reforçou melhor no mercado de inverno?

Benfica
FC Porto
Sporting

Dossiês

Conferências de Gaia
Conferências de Gaia
A revolução franciscana
A revolução franciscana
Português atual
Português atual

 
1ª Liga
1|Benfica52
2|Sporting52
3|FC Porto46
4|Braga39
5|V. Guimarães31
6|P. Ferreira30
7|Rio Ave29
8|Arouca28
9|V. Setúbal26
10|Belenenses25
11|Estoril23
12|Moreirense23
13|U. Madeira23
14|Marítimo22
15|Nacional21
16|Boavista20
17|Académica18
18|Tondela10

Serviços


15º 12º
HOJE, 11 de Fevereiro

Amanhã15º |13º
Sábado16º |11º
Domingo12º |
Segunda12º |

 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled
 
Email Marketing Certified by E-goi