Rescisões no Estado de 1,5 e 1,25 salários vão pagar IRS

 | 14.05.2013 - 00:00
Desde 2012 que as indemnizações que ultrapassem 1,16 salários por cada ano de serviço ficam sujeitas ao pagamento de IRS. Pacote começa a ser discutido esta terça-feira entre Governo e sindicatos da função pública.
 
Rescisões no Estado de 1,5 e 1,25 salários vão pagar IRS
foto Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens
Rosalino conduz negociações com sindicatos

Os assistentes técnicos e operacionais com menos de 54 anos que adiram ao pacote de rescisões amigáveis vão ter de pagar IRS sobre o valor da indemnização que ultrapasse 1,16 salários. A proposta que está em cima da mesa contempla o pagamento de 1,5 e 1,25 ordenados por cada ano de serviço, havendo por isso uma parte que vai ser "absorvida" pelo imposto.

O plano de rescisões que começa a ser negociado esta terça-feira com os sindicatos da função pública prevê o pagamento de 1,5 salários aos funcionários que tenham menos de 50 anos e de 1,25 salários que têm entre 50 e 54 anos. Para o tornar mais apelativo e conseguir por esta via emagrecer a função pública em entre 10 mil a 20 mil trabalhadores, a proposta junta naquele cálculo o salário base e os suplementos de caráter permanente.

Mas a estes valores, os funcionários públicos que aceitem desvincular-se amigavelmente do Estado terão de descontar a parcela que fica sujeita a IRS e que foi agravada em 2012. Até então, estavam isentadas de tributação as indemnizações até 1,5 vezes o valor médio das remunerações auferidas nos 12 meses anteriores - o que correspondia a cerca de 1,75 salários mensais.

Mas, desde o ano passado, passou a ser sujeita a IRS a "parte que exceda o valor correspondente ao valor médio das remunerações regulares com caráter de retribuição auferidas nos últimos 12 meses". Ou seja, tudo o que vá além de 1,16 salários acaba por ser sujeito ao pagamento do imposto. Traduzindo para valores, quem ganhe 750euro brutos por mês e tenha menos de 50 anos, receberá uma compensação equivalente a 1125euro por cada ano de serviço, mas a parte que exceder os 875euro irá fazer retenção na fonte, sendo ainda somada ao rendimento global sujeito a IRS quando for feita a declaração anual.

Se em 2014, ano em que se prevê o arranque do pagamento destas compensações, o Governo voltar a impor a sobretaxa de IRS de 3,5%, aquele rendimento será também tido em conta para o apuramento da sobretaxa.

Tudo isto poderá fazer com que as pessoas que têm rendimentos próximos do limite de um escalão (e agora existem apenas cinco), acabem a receber um valor líquido inferior aos funcionários que apenas receberão o equivalente a 1 salário por cada ano (oferecida a quem tem entre 55 e 59 anos).

Esta situação leva António Ernesto Pinto, especialista da Deco em assuntos fiscais, a alertar as pessoas para fazerem bem as contas e a sublinhar que o custo efetivo das indemnizações não é igual entre o Estado e as empresas porque "o Estado consegue reaver uma parte do que paga" através do IRS.

As compensações que venham a ser pagas não serão, contudo, sujeitas a descontos para a Caixa Geral de Aposentações, uma vez que terá de ser observada a regra que existe para o setor privado, que estipula que as rescisões por mútuo acordo que não confiram acesso ao subsídio de desemprego não estão sujeitas ao desconto de 11% para a Segurança Social.

Artigo Parcial
 
 
EntrepostoCRP SemanaCliente - JN 300x100
Unibanco - JN 300x100
Empresas na Caixa 300x100 JN
BT Edições Multimédia
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
Mais Economia
21.10.14
A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou esta terça-feira que decidiu proibir as vendas a descoberto das ações representativas...

Comentários
Reacções no Twitter
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados Pessoais

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado






Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled