Guardas-florestais vigiam áreas de alto risco de fogo

 | 16.05.2005 - 00:00
 

No dia em que abriu oficialmente a "época de fogos", antecipada devido à seca que se assola o país, o secretário de Estado das Florestas, Rui Gonçalves, visitou dois postos de vigia no distrito de Santarém, dos 66 que começaram ontem a funcionar. A 1 de Junho estarão ocupados os 237 postos existentes. Mas a "visita-surpresa" de Rui Gonçalves não foi pacífica. Em declarações à TSF, Rui Raposo, do Sindicato dos Guardas-Florestais, acusou o secretário de Estado de estar "a policiar" os postos de vigia.

Rui Gonçalves subiu ao cimo de duas torres, uma com 15 metros e outra com 35, observou a paisagem, conversou e questionou os guardas-florestais. Percebeu que este "não é um trabalho muito estimulante", mas garantiu que "é muito digno e importante".

Aos jornalistas, o secretário de Estado salientou "a relevância" de uma vigilância atenta, que permita detectar o início dos incêndios, por forma a que sejam debelados rapidamente. E em ano de seca extrema, "mais importante se torna a vigilância".

No posto de vigia de Almeirim, junto à Quinta de Alorna, os aparelhos de comunicação ainda estavam a ser ligados. No local, três guardas-florestais testavam o equipamento quando uma coluna de fumo surgiu no horizonte. O alerta foi dado de imediato para o Centro de Prevenção e Detecção de Incêndios do distrito, instalado em Tomar.

"A detecção de um princípio de incêndio prova a importância desta medida", considerou o governante que admitiu ter ficado surpreendido com o aviso de greve dos guardas-florestais. No terreno pôde verificar que "todos estão a funcionar", e mesmo aqueles guardas que não apareceram em dois postos, no Algarve, "foram substituídos por funcionários administrativos e trabalhadores rurais". O sindicalista Rui Raposo disse à TSF, por sua vez, que a adesão à greve, no Algarve, "foi de 100%", e que em postos "estavam guardas-florestais que se ofereceram, porque estavam a trabalhar em secretarias".

O secretário de Estado subiu os 141 degraus da torre de Agolada, no concelho de Coruche, a cerca de 35 metros de altura. No cimo encontrou António Matias, 55 anos, guarda-florestal. A sua presença contribuiu para abrir mais um posto de vigia. "Era preciso abrir todos os postos e eu vim para aqui", conta António com os olhos pregados no horizonte.

Ler Artigo Completo
 
 










Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
 

Futebol

Vídeos da Liga
1ª Liga
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Benfica (25)
2 - V. Guimarães (23)
3 - FC Porto (22)
4 - Belenenses (20)
5 - Sp. Braga (18)
6 - P. Ferreira (18)
7 - Rio Ave (17)
8 - Sporting (17)
9 - Moreirense (13)
10 - Marítimo (12)
11 - V. Setúbal (11)
12 - Estoril (10)
13 - Boavista (10)
14 - Académica (8)
15 - Nacional (8)
16 - Arouca (8)
17 - Penafiel (4)
18 - Gil Vicente (3)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 14ºC
  • 7ºC
  • HOJE
  • 17ºC
  • 11ºC
  • AMANHÃ

 

banner Barómetro Tomar o pulso ao país



Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled