Assassinato de Nino Vieira tem contornos de vingança

02/03/2009
A morte de Nino Vieira começa a ganhar contornos de vingança, agora que se sabe que um grupo de militares  libertou os soldados detidos pela alegada participação no ataque de Novembro contra o presidente guineense. Na foto, aspecto da destruição do quartel onde o chefe das Forças Armadas foi assassinado.  
 
ANTÓNIO AMARAL/LUSA
TAGS

O Conselho de Ministros, reunido de emergência, criou uma comissão de inquérito para investigar os assassínios do chefe de Estado e do Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Tagmé Na Waié.

"O Conselho de Ministros deliberou instar o procurador-geral da República a criar uma comissão de inquérito integrada pelo Ministério Público, elementos da Polícia Judiciária e da promotoria Pública do Tribunal Superior Militar, de modo a identificar os autores destes actos e relegá-los posteriormente à Justiça", anunciou o Governo em comunicado a que a Agência Lusa teve acesso.

O Presidente "Nino" Vieira foi assassinado por militares depois de, no domingo, um atentado à bomba ter provocado a morte do chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Tagmé Na Waié. Ataques a que se junta o assalto às antigas instalações da Polícia Judiciária. "Um grupo de miltiares entrou nas instalações, arrombou as portas das celas e libertou os militares que estavam detidos desde Novembro”, por alegado envolvimento no ataque contra o Presidente guineense.

Os prisioneiros agora libertados haviam sido detidos a 23 de Novembro, quando um grupo de militares atacou a casa do presidente guineense. Esta segunda-feira, em novo ataque, que terá sido iniciado com o lançamento de um rocket contra o portão da residência oficial, um grupo de desconhecidos assassinou Nino Vieira.

"Não obstante as medidas tomadas para evitar possíveis dissabores, um grupo de cidadãos por identificar assaltou a residência do Presidente da República da Guiné-Bissau, João Bernardo "Nino" Vieira, tendo-o baleado até à morte", pode ler-se no comunicado dos militares.

No documento, assinado pelo capitão de Mar Zamora Induta, os militares apelam à calma e comprometem-se com a manutenção da paz . O Estado-Maior reafirma “o compromisso e a firmeza em obedecer ao poder político e às instituições da República" e garante que "vai manter-se intransigente com a sua missão constitucional".

Ler Artigo Completo
 
 
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora
subscrever

 
 
Mais Mundo
28.07.15
O Tribunal de Apelo de Versalhes deu razão a Jean-Marie Le Pen, ao confirmar a invalidação da consulta com que a Frente Nacional pretendia anular...
28.07.15
Dezanove pessoas morreram no incêndio numa fábrica de móveis, ao norte do Cairo, desencadeado pela explosão de uma botija de gás.
28.07.15
Um relatório dos Estados Unidos aponta Angola como país de "origem e destino" para tráfico de homens, mulheres e crianças para sexo e trabalhos forçados.
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

 



Global Notícias - Media Group S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled