Casa Branca pede ao YouTube para analisar vídeo anti-Islão

14.09.2012 - 22:52
A Casa Branca pediu ao YouTube para examinar o vídeo de conteúdo anti-Islão que suscitou uma onda de violência antiamericana no mundo árabe-muçulmano, para garantir que o mesmo não viola as condições de utilização deste "site".
 
Mohamed Abd El Ghany/REUTERS
Não param os ataques contra embaixadas dos EUA por causa do filme "A inocência dos muçulmanos
TAGS

"Contactámos o YouTube para que analisem o vídeo, pedindo-lhes que determinem se este não viola o regulamento de utilização do 'site'", disse à AFP Tommy Vietor, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, gabinete de política externa do Presidente Barack Obama.

Anteriormente, o porta-voz da Casa Branca Jay Carney tinha defendido que a difusão do vídeo, alegadamente extraído de um filme anti-Islão intitulado "A Inocência dos Muçulmanos", não podia ser proibida pelo governo, por estar protegido pela primeira emenda da Constituição Americana, que estabelece a liberdade de expressão.

"Proteger a liberdade de expressão, mesmo para as palavras chocantes, constitui um princípio fundamental da nossa democracia", tinha explicado Carney, adiantando que, apesar disso, "é possível denunciar e condenar o que é considerado chocante".

"E fomos claros sobre este ponto em todo o mundo e também aqui nos Estados Unidos", esclareceu.

 
 
Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
 
Mais Mundo
28.11.14
Um homem, de 55 anos, terá matado as duas filhas, de 7 e 9 anos, na sua casa, nas Astúrias, Espanha, antes de se atirar de um viaduto. A mãe das...
28.11.14
Pelo menos 35 pessoas morreram na sequência da explosão de uma bomba numa movimentada estrada do estado de Adamawa, no nordeste da Nigéria, uma das...
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

18 Comentários

Mais Lidas
22.11.14
Um britânico perdeu o gato de estimação em 2003, mas nunca deixou de o procurar. Onze anos depois, dono e gato voltaram a reunir-se.


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled