Casa Branca pede ao YouTube para analisar vídeo anti-Islão

14.09.2012 - 22:52
A Casa Branca pediu ao YouTube para examinar o vídeo de conteúdo anti-Islão que suscitou uma onda de violência antiamericana no mundo árabe-muçulmano, para garantir que o mesmo não viola as condições de utilização deste "site".
 
Mohamed Abd El Ghany/REUTERS
Não param os ataques contra embaixadas dos EUA por causa do filme "A inocência dos muçulmanos

"Contactámos o YouTube para que analisem o vídeo, pedindo-lhes que determinem se este não viola o regulamento de utilização do 'site'", disse à AFP Tommy Vietor, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, gabinete de política externa do Presidente Barack Obama.

Anteriormente, o porta-voz da Casa Branca Jay Carney tinha defendido que a difusão do vídeo, alegadamente extraído de um filme anti-Islão intitulado "A Inocência dos Muçulmanos", não podia ser proibida pelo governo, por estar protegido pela primeira emenda da Constituição Americana, que estabelece a liberdade de expressão.

"Proteger a liberdade de expressão, mesmo para as palavras chocantes, constitui um princípio fundamental da nossa democracia", tinha explicado Carney, adiantando que, apesar disso, "é possível denunciar e condenar o que é considerado chocante".

"E fomos claros sobre este ponto em todo o mundo e também aqui nos Estados Unidos", esclareceu.

 
 
Conferência 3º Aniv DV - JN Destaque 300x100
Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
 
VER VÍDEO
Artes e Vida

Documentário mostra os problemas na ajuda aos sem-abrigo

ReportagensA pesca é gosto que fica no corpo
AtualidadePassageiros querem metro do Porto permanente
Mais Mundo
22.11.14
A norte-americana Ruby Holt viu o mar, pela primeira vez, apenas algumas semanas antes de completar 101 anos. "Nunca vi nada tão grande", disse.
21.11.14
A jovem holandesa de 19 anos que foi resgatada pela mãe ao Estado Islâmico compareceu, esta sexta-feira, diante de um tribunal em Maastricht, sul...
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

18 Comentários


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled