Piloto português escapa a linchamento após despiste mortal em Angola

 | 30/05/2013
O piloto português Luís Almeida quase foi linchado por populares após uma acidente que causou dois mortos e 17 feridos, no Rali de Benguela, em Angola. Testemunha diz que tentaram regar o carro com gasolina com o piloto no habitáculo.
 
DR
TAGS

Os blocos de cimento e o carro destruído mostram a violência do ataque de que foi vítima o piloto português Luís Almeida, depois de um despiste fatal, que causou dois mortos e 17 feridos, no Rali de Benguela, em Angola.

Segundo uma testemunha contou ao JN, "houve uma tentativa de regar o carro com gasolina com o piloto dentro", que foi travada por agentes da Polícia Nacional, que estavam no local. Este espectador, que não quis identificar-se, contou que Luís Almeida só saiu vivo graças "ao sangue frio" de outros dois pilotos, que o "retiraram do local numa mota".

Piloto português escapa a linchamento após despiste mortal em Angola
foto DR

O acidente ocorreu quando o Porsche 911 GT3 pilotado por Luís Almeida entrou numa escapatória onde não devia estar ninguém e atropelou mortalmente duas crianças e feriu 17 pessoas, algumas com gravidade.

A Federação Angolana de Desportos Motorizados (FADM) lamentou os atos de vandalismo e agressões ao piloto português. Num comunicado, assinado por Ramiro Barreira, primeiro vice-presidente da FADM, manifesta-se o "profundo descontentamento pela reação de vandalismo de certos indivíduos que em face do sucedido destruíram selvaticamente a viatura e agrediram o piloto".

Lamenta-se ainda que não tenham sido cumpridas as normas de segurança previamente definidas pela Comissão Organizadora da prova, que contava para o Campeonato Nacional de Velocidade e fazia parte das celebrações do 396º aniversário da fundação da cidade de Benguela litoral sul de Angola, e a que assistiram cerca de 200 mil pessoas.

Depois de destacar que a viatura era conduzida por "um piloto com enorme experiência", o comunicado esclarece que o Porsche se despistou devido a uma falha de travões, tendo entrado numa escapatória onde não era permitida a permanência de pessoas.

Ler Artigo Completo
 
 
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
 
Mais Mundo
05.03.15
O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, expressou esta quinta-feira preocupação pela situação dos direitos...
05.03.15
Um relatório de uma comissão do parlamento britânico recomendou às agências dos serviços de informações do Reino Unido que recrutem mães de família...
05.03.15
Pelo menos 68 pessoas, entre as quais crianças, foram mortas num massacre perpetrado pelo grupo radical islâmico Boko Haram numa aldeia do nordeste...



Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled