Chefe do Estado-Maior dos EUA afasta intervenção militar na Síria

22.08.2013 - 09:50
Uma intervenção militar norte-americana na Síria não seria favorável aos interesses dos Estados Unidos, afirmou o chefe do Estado Maior norte-americano, general Martin Dempsey, numa carta a que a AFP teve acesso na quarta-feira.
 
ADREES LATIF/Reuters
Sírios manifestam-se contra o uso de armas químicas

O general Dempsey justificou que os rebeldes sírios não apoiam os interesses de Washington.

Na correspondência dirigida, na segunda-feira, ao democrata Eliot Engel, eleito para a Câmara dos Representantes, Martin Dempsey referiu a atomização da oposição síria e o peso dos grupos armados extremistas no seio da rebelião para justificar a sua oposição a uma intervenção, ainda que limitada.

"Considero que o campo que nós escolhemos (apoiar) deve estar preparado para promover os seus interesses e os nossos quando a situação pender a seu favor. Atualmente isso não acontece", escreveu o general.

Martin Dempsey indicou que os Estados Unidos podem "destruir a aviação síria", descrita como responsável por numerosos bombardeamentos de civis, mas "isso não seria decisivo no terreno militar e envolver-nos-ia, decididamente, no conflito", explicou o general Dempsey.

Se a potência norte-americana "pode mudar o equilíbrio militar" na Síria, "ela não pode resolver os problemas históricos étnicos, religiosos e tribais subjacentes que alimentam o conflito", advertiu.

Os problemas na Síria têm "raízes profundas", acrescentou, ao referir tratar-se de um "conflito de longa data entre múltiplas fações e a luta violenta para o poder continuará depois do fim do regime de Assad", estimou o principal conselheiro militar do Presidente norte-americano, que apela a avaliar o interesse de um envolvimento militar limitado "neste contexto".

Ler Artigo Completo
 
 
Cronologia 2014
PEPE Jornadas Empreendedorismo Turismo - JN Destaque
Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
TSF Superbrand - JN destaque
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
 
Mais Mundo
20.12.14
O grupo jihadista Estado Islâmico executou 100 dos seus combatentes estrangeiros, que tentavam fugir da cidade de Raqqa, no norte da Síria, avançou...
20.12.14
Uma adega destruída e o corte de uma estrada em Chã das Caldeiras são o resultado, este sábado, do avanço da lava que há quase um mês jorra ininterruptamente...
20.12.14
O presidente de Cuba, Raúl Castro, anunciou que o VII Congresso do Partido Comunista da ilha será em abril de 2016
20.12.14
O presidente russo, Vladimir Putin, declarou que ninguém conseguirá "intimidar, conter ou isolar" a Rússia e defendeu que o país, alvo de sanções...
Comentar
Caracteres Disponíveis: 750
Enviar Comentário
Obrigado! O seu comentário ficará visível dentro de momentos.
Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde.

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores.
Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados.
Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

3 Comentários


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled