Chefe do Estado-Maior dos EUA afasta intervenção militar na Síria

22.08.2013 - 09:50
Uma intervenção militar norte-americana na Síria não seria favorável aos interesses dos Estados Unidos, afirmou o chefe do Estado Maior norte-americano, general Martin Dempsey, numa carta a que a AFP teve acesso na quarta-feira.
 
ADREES LATIF/Reuters
Sírios manifestam-se contra o uso de armas químicas

O general Dempsey justificou que os rebeldes sírios não apoiam os interesses de Washington.

Na correspondência dirigida, na segunda-feira, ao democrata Eliot Engel, eleito para a Câmara dos Representantes, Martin Dempsey referiu a atomização da oposição síria e o peso dos grupos armados extremistas no seio da rebelião para justificar a sua oposição a uma intervenção, ainda que limitada.

"Considero que o campo que nós escolhemos (apoiar) deve estar preparado para promover os seus interesses e os nossos quando a situação pender a seu favor. Atualmente isso não acontece", escreveu o general.

Martin Dempsey indicou que os Estados Unidos podem "destruir a aviação síria", descrita como responsável por numerosos bombardeamentos de civis, mas "isso não seria decisivo no terreno militar e envolver-nos-ia, decididamente, no conflito", explicou o general Dempsey.

Se a potência norte-americana "pode mudar o equilíbrio militar" na Síria, "ela não pode resolver os problemas históricos étnicos, religiosos e tribais subjacentes que alimentam o conflito", advertiu.

Os problemas na Síria têm "raízes profundas", acrescentou, ao referir tratar-se de um "conflito de longa data entre múltiplas fações e a luta violenta para o poder continuará depois do fim do regime de Assad", estimou o principal conselheiro militar do Presidente norte-americano, que apela a avaliar o interesse de um envolvimento militar limitado "neste contexto".

Ler Artigo Completo
 
 
Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
Mais Mundo
25.10.14
Três capacetes azuis senegaleses da missão da Organização das Nações Unidas no Mali (Minusma) ficaram, este sábado, feridos num ataque perto de Kidal...

Comentários
Reacções no Twitter
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados Pessoais

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado






Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled