Passos Coelho não altera a rota traçada

 | 13.09.2012 - 20:41
"As medidas são necessárias para que Portugal possa cumprir o seu programa". Ainda não tinham passado dez minutos e já se percebia que o entrevistado confirmaria por inteiro o novo pacote de austeridade apresentado aos portugueses.
 
Paulo Spranger/Global Imagens
Passos Coelho em entrevista à RTP

Subsiste, admitiu Passos Coelho, a possibilidade de diferenciar as taxas para a Segurança Social, discriminando positivamente salários mais baixos, mas nada mais do que isso. A não ser a convicção de que a diminuição dos custos do trabalho, via redução da TSU, levará as empresas a baixar os preços dos produtos. Expressa no desafio a Belmiro de Azevedo para que o faça sem "esmagar" os produtores, e na promessa de que, nas empresas da órbita do Estado, o Governo tomará a iniciativa.

Deste ponto de vista, a entrevista televisiva revelou poucos dados novos. Passos foi vago sobre a estratégia que adotará para atingir a meta de 5% de défice orçamental já este ano e deixou um ou outro sinal de esperança, como a garantia de que a retirada de subsídios à Função Pública e aos reformados vigorará durante o período de assistência externa, até 2014.

Firme nas suas apostas, Passos Coelho apresenta um certo distanciamento em relação aos efeitos das medidas na vida dos cidadãos. Como sempre, a sua preocupação primeira é externa: "Somos olhados pelos mercados como um país que cumpre as suas obrigações e não se desculpa".

Por outro lado, o chefe do Governo quis mostrar quem manda. Num momento em que crescem as dúvidas sobre a fidelidade à coligação do CDS - que se afirmou indisponível para aceitar aumentos de impostos - deixou bem claro que Paulo Portas acompanhou todo o processo de preparação destas medidas. "É presidente do CDS e ministro de Estado", sublinhou, assim condicionando fortemente a margem de manobra dos centristas, que amanhã reúnem os órgãos nacionais.

O primeiro-ministro reconheceu que no PSD e no CDS "não há conforto com a situação que o país vive e as medidas que é necessário adotar". Porém, entregou-se a um exercício de autoridade perante a bancada da Maioria.

Comentando indiretamente as declarações de Manuela Ferreira Leite, que exortou os deputados a votarem o Orçamento de acordo com a sua consciência, proclamou que se não o aprovassem seria "uma tragédia para o país".

Ler Artigo Completo
 
 
Empresas na Caixa 300x100 JN
Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
 
VER VÍDEO
Close-up

Tartarugas Ninja voltam a invadir salas de cinema

AtualidadeMédica portuguesa vai para a Serra Leoa combater o ébola
AtualidadePassageiros surpreendidos no Porto com greve na TAP

Comentários
Reacções no Twitter
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados Pessoais

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado






Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled