Cânticos de culto africano dissipam ecos de violência

 | 15.09.2008 - 00:38
Em plena Quinta da Fonte, conhecida pelos episódios de violência, ouvem-se vozes de paz. Pertencem aos membros da Igreja Kimbanguista, cujo único local de culto em Portugal se situa naquele bairro social de Loures.
 

Num domingo de manhã, quem entra na Quinta da Fonte tem a sensação de que a noite de sábado ainda não acabou - a música vinda do rés-do-chão de uma das torres que caracterizam o bairro faz-se ouvir perfeitamente na rua.

No interior da igreja kimbanguista da Quinta da Fonte, a única do país, perto de 40 pessoas, de todas as idades, estão vestidas a rigor para o culto dominical. As cores dominantes são o verde (cor da esperança) e o branco (cor da pureza) e estão presentes um pouco por toda a parte, desde as paredes da igreja ao traje dos membros da comunidade, que se descalçam todos à entrada. As camisas dos homens e os véus das mulheres fazem referência ao "Papá" Simon Kimbangu, que criou a Igreja em 1921, no Congo Belga (actual República Democrática do Congo).

Os cânticos, em português, francês e dialectos africanos, inspiram-se em passagens bíblicas. "Te seguirei em qualquer momento para alcançar a salvação", diz uma das músicas. No interior da igreja, toda a gente canta quase todos tocam um instrumento, como a flauta, o trompete ou outro instrumento de sopro.

Em Portugal, a Igreja Kimbanguista conta com perto de 80 membros, a maioria vindos de Angola, mas também do Congo Democrático e do Congo-Brazzaville. Segundo o Pastor Maurício Nascimento, representante máximo do Kimbanguismo em Portugal, a maioria das pessoas que frequentam o culto e as actividades da comunidade são da Quinta da Fonte, mas também há quem venha de mais longe, como da Amadora, do Cacém ou mesmo da Margem Sul do Tejo.

Jennifer Lopes só tem 18 anos mas é das mais activas na comunidade - canta no coro, toca flauta e batuque. O dinamismo do culto é aquilo que mais a seduz no kimbanguismo, que professa desde criança. "Quando se vai à Igreja Católica, por exemplo, não há tanta interacção. Aqui, há muitas actividades."

Nsimba Alberto, 33 anos, mora em Alcântara (Lisboa) mas vai à Quinta da Fonte diariamente de quarta-feira a domingo, seja para tomar parte no culto seja para participar ensaios de canto e de trompete. Nascido na República Democrática do Congo mas criado em Angola, o electricista vive em Portugal há 17 anos e já percorreu várias igrejas. Acabou por voltar à Igreja Kimbanguista, que frequentava desde os 12 anos.

Ler Artigo Completo
 
 
Unibanco - JN 300x100
Fazemos Bem JN 300x100
BT Edições Multimédia
 
subscreva já
newsletter diária jn
Receba diariamente no seu e-mail a Newsletter do JN e alertas de última hora

 
Mais Sociedade
24.10.14
A associação ambientalista Quercus lamentou, esta sexta-feira, que as metas definidas na quinta-feira pelos países da União Europeia para as áreas...
24.10.14
A adesão à greve dos administrativos e auxiliares dos hospitais, que começou à meia-noite, ronda os 90%, disse Luís Pesca, da Federação Nacional...

Comentários
Reacções no Twitter
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados Pessoais

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado






Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled