JN
Diretor Interino
Alfredo Leite

FERRAMENTAS
ESTATÍSTICAS
Patrocínio

Fundo do mar esconde riquezas para exploração

Publicado

 

Os meios usados por esta Missão, como o pequeno robô submarino capaz de descer a seis mil metros, "não serviram para a prospecção de recursos", diz o seu chefe, Pinto de Abreu.

Mas este perito com formação em Biologia Marinha admite ao JN que "toda esta informação permite tirar conclusões sobre a pesquisa de hidrocarbonetos (petróleo) para afinar expectativas de prospecção futura".

Pinto de Abreu não é muito explícito quanto a descobertas da Missão, ainda que admita a custo: "Claro que temos evidência de recursos minerais". Só adianta uma suposição: "Se considerarmos 1.600 quilómetros quadrados com teores médios de cobalto, níquel e cobre, isso equivale ao valor líquido de 217 milhões de euros por ano, metade da mina Neves-Corvo".

A confirmação de recursos naturais não é segredo dos deuses, mas do Estado; a fundamentação junto das Nações Unidas para a extensão da plataforma continental de Portugal não exige esses contornos. Certo é que, sobretudo a partir da aquisição do ROV, entregue em Outubro último, foi possível pedir ao mini-submarino "material genético, de recursos vivos". E talvez seja esse um petróleo mais rendível. Pinto de Abreu lembra que "os recursos ligados à biotecnologia são dos que têm maior potencial económico para exploração no fundo do oceano. É a chamada biotecnologia azul.

O responsável pela Missão garante que, neste momento, "Portugal já é líder mundial no conhecimento do fundo oceânico". A extensão da plataforma continental dá mais oportunidades, não só científicas, como de natureza económica. Tal como algumas indústrias farmacêuticas têm andado pela Amazónia a pesquisar princípios activos para medicamentos, outras já houve com resultados que se basearam em matérias-primas retiradas à escuridão dos fundos oceânicos. Veja-se o volume de negócios de cem milhões de euros logo no primeiro ano da comercialização de um conhecido fármaco para minorar o herpes labial. A molécula que lhe deu o êxito veio do fundo oceânico. Daí começam a vir anticancerígenos "à base" de esponjas, que em dois anos de vendas deram um retorno de dez mil milhões de euros.

 
 

Comentários
Reacções no Twitter
Comentar

Caracteres disponíveis: 750

Receber alerta de resposta Aparecer como Anónimo
Lembrar dados Pessoais

Nota: Os comentários deste site são publicados sem edição prévia e são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. Consulte a Conduta do Utilizador, prevista nos Termos de Uso e Política de Privacidade. O JN reserva-se ao direito de apagar os comentários que não cumpram estas regras. Aparecer como anónimo - os dados (nome e-mail) são ocultados. Os comentários podem demorar alguns segundos para ficarem disponíveis no site.

Se tem conta, faça Login

Email

Password

Legenda

Utilizador RegistadoUtilizador Registado    Utilizador Não RegistadoUtilizador Não Registado




Multimédia
Blogues
Inquérito



BT Edições Multimédia

Ocasião/Zaask - Destaque 300x100 DN
Últimas
+Lidas
+Comentadas
+Pesquisadas
 

Futebol

Vídeos da Liga
Liga Zon Sagres
Classificação
Resultados
Próxima Jornada
1 - Benfica (16)
2 - FC Porto (12)
3 - Marítimo (12)
4 - Sp. Braga (11)
5 - V. Guimarães (11)
6 - Rio Ave (10)
7 - Sporting (10)
8 - Belenenses (10)
9 - P. Ferreira (8)
10 - Arouca (7)
11 - V. Setúbal (7)
12 - Boavista (7)
13 - Académica (6)
14 - Moreirense (6)
15 - Estoril (5)
16 - Nacional (4)
17 - Penafiel (4)
18 - Gil Vicente (1)

Serviços


TEMPO Dados fornecidos por Wunderground
  • 23ºC
  • 16ºC
  • HOJE
  • 27ºC
  • 17ºC
  • AMANHÃ

 

destaque conselhoeditorial
banner Barómetro Tomar o pulso ao país
Economia Social


Controlinveste Conteúdos, S.A. Todos os direitos reservados
Termos de Uso e Política de Privacidade |  Ficha Técnica |  Quem Somos |  Contactos |  Webmaster This website is ACAP-enabled