Cultura

Comer um bombom em ouro custa 7728 euros

Comer um bombom em ouro custa 7728 euros

O Bombom Glorious é uma estrela entre joias. Feira na Exponor, em Matosinhos, vende um chocolate por 7728 euros e um vinho do Porto por 10 mil.

Polícias e seguranças multiplicam-se nos acessos à passadeira vermelha que guia o visitante até um universo de perdição, com muito brilho e originalidade da arte joalheira nacional em foco. As joias distribuem-se por stands, todos diferentes a marcar a diversidade de um setor novamente em crescimento. "É uma lufada de ar fresco, o espaço é mais atual e mais "trendy"" - é assim que Amélia Monteiro, diretora da PortoJóia, apresenta a 26.ª edição da Feira Internacional da Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria que decorre na Exponor, em Leça da Palmeira, até domingo.

A excentricidade é tal que o certame apresentou, na estreia, o "bombom mais caro do Mundo". Não é um acessório e é mesmo de comer... por quem tiver coragem: o preço de venda ao público é de 7728 euros e não é para a boca de qualquer um. Da autoria do mestre Daniel Gomes, de Leiria, o bombom Glorius exposto no certame foi bastante cobiçado. Mas de que é feito, afinal, o tão valioso doce? Limitado a uma edição de mil exemplares com número de série, o bombom é confecionado artesanalmente na Daniel"s Chocolate com o formato de um diamante, recheado com filamentos de açafrão, pepitas de ouro, óleo de trufa francesa, raspa de trufa e baunilha e revestido com folha de ouro comestível. Para terminar o capricho, vem embalado numa caixa com 5500 cristais Swarovsky, completando assim a lista de ingredientes que justificam o seu exorbitante valor.

Até domingo, com imagem renovada e outras abordagens, a mostra aposta na criatividade do "sangue novo" que habilmente se funde com a mestria de empresas com tradição no mercado que também se têm sabido renovar. "Falamos de pessoas criativas que querem mostrar a este setor que têm muito para dar e é importante que os nossos empresários também possam acolher, de alguma forma, estas novas ideias. É esta aproximação que é necessário fazer", destacou Amélia Monteiro, minutos após a abertura. Pouco passava das dez da manhã e os distintos espaços já se enchiam de clientes, enquanto num local específico alguns formandos do CINDOR, em Gondomar, se aprontavam para trabalhar prata e ouro à vista dos curiosos.

Muito perto, a ourivesaria e a joalharia alargam-se ainda "a outros setores como o mobiliário, a decoração, os sapatos ou os vinhos" resultantes de colaborações exclusivas que originaram sete peças únicas. Entre elas há uma garrafa de vinho do Porto com diamantes e ouro, avaliada em 10 mil euros, fruto da parceria entre a Taylor"s e a Rare, enquanto a marca de calçado para senhora Helsar colaborou com a Goris na criação de dois pares de sapatos com pormenores em filigrana de ouro e prata, com valores entre os 6 e os 9 mil euros. Sensual e elegante, o fato de banho da Latitid tornou-se um luxo pelas mãos da "Our Sins". No mesmo espaço, o visitante ainda pode apreciar os vestidos assinados por Micaela Oliveira (com Eugénio Campos) e Carla Pontes (com a VerdeGreen) e ainda uma gargantilha e uma cadeira que contribuem para aproximar a indústria do mundo da moda.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM