Música

Invasão em Viana para o festival urbano "Bate Forte"

Invasão em Viana para o festival urbano "Bate Forte"

Pedro Abrunhosa e Rita Redshoes chamaram uma multidão ao centro de Viana. O JN falou com os dois artistas antes de atuarem no festival e a cantora comentou: "Quando cheguei aqui disse logo: wow!"

Nem festejos eleitorais ou futebolísticos, nem romaria da Agonia. Nenhum daqueles eventos alguma vez encheu o centro da cidade de Viana do Castelo como a segunda edição do festival urbano "Viana Bate Forte", que decorreu esta sexta-feira e sábado à noite.

Milhares, largos milhares de pessoas, circularam nas ruas entre quatro palcos instalados noutras tantas praças da zona urbana: República, Liberdade, Mexia Galvão (palco pedra) e Erva. Rita Redshoes, uma das primeiras artistas a atuar, deslumbrou-se à chegada a Viana: "Aqui sente-se o peso da história na cidade. Quando cheguei aqui disse logo: wow!". E o mesmo aconteceu quando subiu ao palco da Praça da República, por volta das 22.00 horas. "Que imagem tão bonita!", exclamou a compositora e cantora para a multidão. A mais central de todas as praças da cidade, estava a abarrotar - havia até gente a assistir ao concerto debruçada nas janelas e varandas das casas.

Por entre as músicas do seu quarto disco, "Her", e revisitações de temas mais antigos com arranjos especiais pelo quarteto de cordas que a acompanhou, Rita Redshoes foi mostrando o seu contentamento com a moldura humana que a acolheu em Viana. Antes de começar o concerto, já o tinha dito em declarações ao JN: "A vista do palco tem um lado romântico de que gosto muito e por isso acho que tocar aqui neste cenário vai-me dar um prazer imenso". E defendeu: "Sou muito fã e apologista que deem outras vidas às cidades. É bom, de repente, invadir assim os espaços".

Na primeira noite do "Viana Bate Forte" todos os palcos estiveram ao rubro, em todos os concertos, mas foi Pedro Abrunhosa e o seu Comité Caviar que arrebatou a surpreendente massa humana que se foi movimentando pelo centro histórico. O artista teve direito a uma Praça da Liberdade totalmente lotada e mais quase meia Avenida dos Combatentes entupida.

Impressionantes imagens aéreas publicadas na página de Facebook do festival dão conta disso mesmo. "Os festivais afastados dos centros urbanos têm a característica sociológica de serem confinados aos espaços, numa espécie de parque de diversões afastado. Este tipo de festivais, tem uma textura urbana, em que as bandas circulam pelo meio da cidade, a malha urbana está lá nos cenários, nas pessoas", comentou Pedro Abrunhosa, considerando que o "Viana Bate Forte" é "uma forma muito útil de dinamizar culturalmente a cidade".

Viana recebeu ainda no sábado outros artistas como Richie Campbell, Marcelinho da Lua, Capitão Fausto, Manuel Fúria & Os Náufragos e Luísa Sobral. Como há muito não se via, bares e cafés da região estiveram abertos até muito mais tarde.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado