Oscars

DiCaprio e Brie Larson vencem Oscars de melhores atores

DiCaprio e Brie Larson vencem Oscars de melhores atores

A 88.ª cerimónia dos Oscars confirmou as expectativas: DiCaprio e Brie Larson foram galardoados com a estatueta dourada para melhores atores; Alejandro G. Iñárritu venceu a Melhor Realização. "O Caso Spotlight" foi corado Melhor Filme e "Mad Max" limpou as categorias técnicas.

"The Revenant: O Renascido" partia como grande favorito na corrida aos Oscars, com 12 nomeações e um palmarés notável amealhado na temporada que antecede os prémios da Academia. Das 12 categorias venceu apenas três: Melhor Realização, Melhor Ator e Melhor Fotografia.

Alejandro González Iñarritu conseguiu o feito raro de ser distinguido pelo segundo ano consecutivo com o Oscar de Melhor Realização, ladeado por Emmanuel Lubezki, que pelo terceiro ano consecutivo venceu na categoria de Melhor Fotografia. Esta dupla mexicana repetiu o sucesso do ano passado, com "Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)", dando provas da diversidade que está no ADN do cinema norte-americano, num ano marcado pela polémica sobre a ausência de atores negros nomeados nas principais categorias.

A polémica que se ergueu em torno desta edição atravessou toda a cerimónia, com o humor e ironia do anfitrião, o comediante Chris Rock, ou com o discurso mais sério da presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, Cheryl Boone Isaacs.

"A Academia tomou medidas de inclusão para que nos tornemos mais fortes. E é importante que os membros da Academia e todos nesta sala façam passar essa mensagem. Temos que agir. Estou confiante que juntos podemos talhar um futuro de que todos nos orgulhemos", declarou a Presidente da Academia, destacando a diversidade do cinema americano e a necessidade de que esta seja devidamente reconhecida e encorajada.

Alejandro González Iñarritu aproveitou o discurso de agradecimento para reforçar o apelo à diversidade e ao fim do preconceito, não sem antes agradecer ao protagonista do seu filme, Leonardo DiCaprio: "Tu és o Revenant".

Corpo e alma do filme, Leonardo DiCaprio viu chegar-lhe às mãos o tão desejado Oscar, à quinta nomeação. Depois de ter sido já nomeado pelo seu desempenho em dois filmes de Martin Scorsese - "O Aviador" (2005) e "O Lobo de Wall Street" (2014) -, o ator fez questão de agradecer ao realizador veterano tudo o que este lhe ensinou ao longo dos anos em que têm colaborado. DiCaprio também aproveitou o palco global dos Oscars para apelar à causa ecologista que o move. "As alterações climáticas são reais e estão a acontecer agora. Não tomemos este planeta por garantido. Não tomarei esta noite como garantida", declarou, num discurso político e ecologista, que lhe tem sido característico nos últimos anos.

Para que Iñarritu e "The Revenant" fizessem o pleno nas principais categorias faltou o Oscar para Melhor Filme, entregue a "O Caso Spotlight", um dos mais ferozes concorrentes nesta categoria. O filme de Tom McCarthy, sobre uma equipa de jornalistas de investigação do "Boston Globe" que denunciou abusos sexuais de menores por padres católicos, conquistou também o galardão para Melhor Argumento Original, juntando a estatueta dourada ao Bafta e ao Prémio do Sindicato dos Argumentistas.

"Este filme deu uma voz aos sobreviventes e este Oscar amplifica essa voz, que esperamos que se torne um coro e que chegue ao Vaticano", disse McCarthy, com a equipa a destacar a necessidade de se produzir jornalismo de investigação e a glorificar os verdadeiros heróis desta história: os repórteres do "Boston Globe".

Nomeada pela primeira vez, e logo ao lado de veteranas na passadeira vermelha como Cate Blanchett ou Jennifer Lawrence, Brie Larson, de 26 anos, viu o seu desempenho em "Quarto" confirmado com um Oscar da Academia para Melhor Atriz, depois de já ter convencido o júri dos Bafta, dos Globos de Ouro e do Sindicato dos Atores. Nos agradecimentos não faltou uma palavra ao pequeno Jacob Tremblay, de nove anos, que faz de seu filho neste drama intenso realizado por Lenny Abrahamson.

"A rapariga dinamarquesa" deu a Alicia Vikander, de 27 anos, o primeiro Oscar da carreira, na categoria de Melhor Atriz Secundária. Também nomeado e galardoado pela primeira vez foi o britânico Mark Rylance, de 56 anos, vencedor na categoria de Melhor Ator Secundário pelo papel desempenhado em "A Ponte dos Espiões".

Uma das surpresas da noite foi "Mad Max: Estrada da Fúria", de George Miller, que arrecadou seis das dez estatuetas para que estava indicado: Melhor Guarda-Roupa, Melhor Caracterização, Melhor Direção Artística, Melhor Montagem, Melhor Edição de Som e Melhor Mistura de Som.

Com cinco nomeações, incluindo a de Melhor Filme, "A Queda de Wall Street", de Adam McKay, arrecadou apenas o Oscar para Melhor Argumento Adaptado.

Sem surpresas, "Divertida-mente", de Pete Docter e Jonas Rivera, levou para casa o Oscar de Melhor Filme de Animação e "Amy", de Asif Kapadia e James Gay-Rees, o de Melhor Documentário.

Além da questão racial, também a violência sexual subiu ao palco da 88.ª cerimónia dos Oscars, com o vice-presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, a alertar para este flagelo e a instar todos a intervirem nesta causa. A presença de Biden deu-se a propósito da nomeação de Lady Gaga para o Oscar de Melhor Canção Original com "Til it happens to you", que integra o documentário "The hunting ground", sobre abusos sexuais e o seu encobrimento nos campus das universidades americanas, e que tem gerado grande polémica.

Biden levantou-se por esta causa, assim como a plateia da cerimónia, emocionada, após a atuação de Lady Gaga, ao piano, rodeada por mulheres e homens com palavras contra a violência escritas nos braços.

O Oscar de Melhor Canção haveria de ser entregue Jimmy Napes e Sam Smith, por " Writings On The Wall", que integra a banda sonora do filme "007 Spectre". Visivelmente emocionado com a primeira estatueta dourada, o cantor Sam Smith dedicou-a toda a comunidade LGBT pelo mundo.

"Há uns meses li um artigo do Sir Ian McKellen, em que ele dizia que nenhum homem assumidamente gay tinha vencido um Oscar. Se for esse o caso, ou mesmo que não seja, quero dedicar isto à comunidade LGBT pelo mundo. Estou aqui, hoje, como um homem com orgulho em ser gay e espero que um dia consigamos estar todos juntos como iguais", disse o músico, acrescentando a sua nota pessoal aos vários apelos à igualdade que marcaram a noite.

Confira aqui todos os vencedores da 88.ª cerimónia dos Oscars, que decorreu na madrugada desta segunda-feira no Dolby Theatre, em Los Angeles.

Conteúdo Patrocinado