Cultura

Dinossauros à solta na Invicta

Dinossauros à solta na Invicta

Deste sábado até 30 de junho, a Alfândega do Porto está transformada numa espécie de "Jurassic Park". É a maior mostra em Portugal sobre o mundo dos dinossauros. São esperados 100 mil visitantes. Veja o vídeo.

As catacumbas e o primeiro andar do majestoso edifício bem poderiam servir de cenário às filmagens de Steven Spielberg para o seu "Jurassic Park".

Trata-se da exposição "Dinossauros e o mundo pré-histórico", que abre este sábado, às 10 horas, e que é constituída por mais de 500 réplicas, em tamanho real, criadas a rigor por técnicos internacionais. As peças representam múltiplos animais, com predominância para dinossauros e tigres dentes-de-sabre e, também, para os humanóides. A construção assenta nos mais diversos materiais, concebidos maioritariamente por espanhóis e franceses.

Segundo disse, ao JN, Mónica Velosa, da Between Planets, a quem cabe a responsabilidade da organização do evento - e que, além desta exposição, organizou as anteriores cinco mostras dedicadas ao mesmo tema -, a conceção destas obras, além de demorada, "é muito minuciosa e só alguns criadores aceitam, pois é-lhes exigido o máximo".

A mesma interlocutora revelou que algumas das peças em cera são da autoria de artistas que trabalham com o Museu Madame Tussauds, em Londres (Inglaterra) e referiu que, no caso dos humanóides, "teve de se proceder a implantes de pelos e colocá-los um a um, o que, claro, implicou um processo muito demorado". Sublinhe-se, por outro lado, que a maioria das réplicas expostas está envolvida em cenários próprios da época a que se reportam, nomeadamente, a improvisação de pequenas áreas de floresta.

O visitante "vai esbarrar" com todas as espécies de dinossauros, a maioria de significativas dimensões, e também será confrontado, por exemplo, com um conjunto de peças que evidenciam a evolução humana. Este quadro inicia-se com a réplica do Dryopithecus (20 milhões de anos) até ao Homo Sapiens.

De uma maneira geral, as peças são estáticas, contudo, na área dos dinossauros, veem-se alguns robotizados, permitindo, até, pequenas movimentações pelos seis mil metros quadrados destinados ao certame.

Segundo Mónica Velosa, as amplas condições do edifício permitem apresentar, pela primeira vez , três mostras numa só, ou seja, além do universo dos dinossauros, é apresentada a "Idade do Gelo" e "A evolução humana". A aposta é grande e para o esperado êxito trabalhou na montagem uma equipa de 14 pessoas durante 16 dias consecutivos. Agora, dizem, "é só esperar pelo público", porque o "Jurassic Park" já está pronto.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado