Artes

Palácio da Bolsa exibe obra de Serralves

Palácio da Bolsa exibe obra de Serralves

O Palácio da Bolsa, no Porto, exibe desde esta terça-feira uma escultura que pertence à coleção do Museu de Serralves. "Gate" é um portão deformado, feito em aço, que está suspenso junto à escadaria nobre do edifício neoclássico. E lá ficará até setembro.

Um portão contorcido e suspenso junto à base de uma escadaria de granito. Estranho? O objetivo é mesmo causar impacto, despertar a curiosidade, suscitar comentários. Não só pela peça em si, mas também porque está instalada no Palácio da Bolsa, edifício que começou a ser construído em 1842.

"Gate", assim se denomina a escultura da artista polaca Monika Sosnowska, é a primeira obra de arte a ser exibida naquele local como resultado de uma parceria entre o Museu de Serralves e a Associação Comercial do Porto.

A primeira dessas instituições deu mais um passo no sentido de divulgar a sua coleção fora de portas. A segunda mais um passo deu no sentido de trabalhar em rede com outras instituições da cidade. Com efeitos desde o fim da tarde desta terça-feira.

Ao deixar para trás o átrio do palácio, o visitante é surpreendido com uma grande estrutura em aço, suspensa junto à escadaria nobre. "Gate" é a réplica manobrada de um portão que a artista fotografou em Varsóvia.

Suzanne Cotter, diretora do Museu de Serralves, explicou aos jornalistas que a escolha desta peça foi "definida pelo espaço", um edifício de estilo neoclássico que possibilita grandes contrastes com a arte contemporânea e que convida à exposição de "um trabalho mais muscular", de que é exemplo a escultura em causa, que pertence à coleção de Serralves desde 2015.

Há precisamente um ano, o museu apresentava ao público "Arquitetonização", a primeira exposição em Portugal dedicada à obra Monika Sosnowska, nascida em Ryki em 1972.

Por seu turno, Ana Pinho, presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves, lembrou que esta filosofia tem permitido à instituição manter uma relação muito forte com as autarquias e também com museus de outros países. Exemplo mais recente é a apresentação da mostra de Helena Almeida em Paris.

Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto, classificou como "arrojada" a mistura que se obtém entre o moderno e o antigo. E considerou esta parceria "óbvia, natural e fácil", pois surge na esteira dos protocolos estabelecidos com o Coliseu, a Casa da Música, a Santa Casa da Misericórdia e a Torre dos Clérigos.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado