Desporto

Autocarro do Oriental avaria e flavienses dão comida e cama à equipa de Marvila

Autocarro do Oriental avaria e flavienses dão comida e cama à equipa de Marvila

Uma história de fair-play e altruísmo que demonstra que o futebol é muito mais que um jogo.

No domingo, poucas horas após o empate (1-1) com o Desportivo de Chaves, que luta pela subida na 2.ª Liga, a comitiva do Oriental ficou parada na estação de serviço de Vidago, devido a uma avaria do autocarro. Apesar de várias diligências, já passavam das 23 horas e o problema estava longe de ser resolvido, o que só acabou por acontecer graças à intervenção de jogadores e responsáveis do Chaves.

"Estávamos de mãos e pés atados. O presidente do Chaves tomou conhecimento da situação e disponibilizou-se para nos ajudar, com o seu carro e de alguns jogadores. É uma atitude que merece ser louvada, porque o que fizeram por nós não tem palavras. Foram pessoas incríveis, o Gustavo, o Nélson Lenho e o Paulo Ribeiro, os jogadores que estiveram mais próximos de nós", salientou, ao JN, João Pedro, defesa do Oriental.

Os atletas foram, depois, recebidos com bifinhos com cogumelos, no restaurante Bitoque, em Chaves, e pernoitaram no Hotel Forte São Francisco, propriedade do presidente honorário e investidor do clube transmontano, Francisco Carvalho, tendo a comitiva chegado a Lisboa segunda-feira, ao início da tarde, num veículo alugado.

"Quando falei ao telefone com o treinador do Oriental disse-lhe logo que eles não iam passar a noite ali. Liguei para o presidente e conseguimos ajudar", explica José Lopes, vice-presidente do Chaves, que brincou com o empate obtido à tarde e revelou o pedido que fez ao técnico João Barbosa: "Aqueles dois pontos a voar foi como quem nos tirou pão da boca. Disse ao mister para não me agradecer, mas sim para fazer o favor de também tirar pontos aos outros. Só fizemos a nossa obrigação".

Susto

Se a noite já era insólita, ainda mais se tornou com o susto que Paulo Ribeiro, guarda-redes do Chaves, viveu quando ia em socorro dos colegas do Oriental. O carro onde seguia começou a deitar fumo e o guarda-redes encostou, de imediato, à berma.

"Senti o cheiro a queimado e parei. Quando saí, afastei-me e o carro começou a arder. Fiquei triste, mas o mais importante é que estou bem", conta, ao JN, Paulo Ribeiro, 31 anos, que, à tarde, tinha recuperado a titularidade nos flavienses, o que já não acontecia desde setembro, em jogos do campeonato. "Dentro do campo cada um puxa para o seu lado, mas fora somos todos colegas de profissão. Tenho a certeza que fariam o mesmo por nós", finalizou o guardião.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado