Desporto

Sporting vai recorrer do arquivamento do inquérito sobre ofertas do Benfica a árbitros

Sporting vai recorrer do arquivamento do inquérito sobre ofertas do Benfica a árbitros

O Sporting anunciou, em comunicado, que irá recorrer da decisão da Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga em arquivar processo decorrente das afirmações do seu presidente, Bruno de Carvalho, sobre as ofertas do Benfica a árbitros.

Na mesma nota, a direção dos 'leões' insurge-se contra a "sentença" tornada pública quarta-feira: "Não serão estas tomadas de decisão, que prejudicam gravemente o futebol, que irão demover o nosso clube, em todas as instâncias necessárias, para a penalização de quem comete atos como os ora mencionados".

E relembra que se trata da "oferta de 1120 jantares por época a árbitros, delegados e observadores", argumentando que é por decisões como a da Comissão de Instrução e Inquéritos (CII) que não é permitida "a modernização, credibilização e dignificação do futebol", aludindo à "criação de conceitos inexistentes como o de "dolo sem intenção'".

A direção do Sporting escreve que "não era expectável outra decisão", atendendo "ao próprio decurso do inquérito promovido pela Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga, pelas questões colocadas, nomeadamente aos árbitros, e pela condução da inquirição no que diz respeito ao presidente do Sporting Clube de Portugal", a qual "no momento certo, irá pelo mesmo ser revelada".

A CII anunciou, quarta-feira, o arquivamento do processo decorrente das afirmações do presidente do Sporting sobre as ofertas do Benfica a árbitros.

A comissão considerou que as ofertas a que Bruno de Carvalho se referiu como sendo uma forma de influenciar as equipas de arbitragem, e que pelas contas do líder do Sporting poderiam atingir um valor global anual de 250 mil euros, "ingressa no conceito de ofertas de mera cortesia (...) admitida na regulação desportiva".

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado