O caso BES

Lesados do papel comercial do BES iniciaram a maior manifestação de sempre

Lesados do papel comercial do BES iniciaram a maior manifestação de sempre

Os lesados do papel comercial do Grupo Espírito Santo iniciaram, esta quinta-feira, em Lisboa, em frente à sede do Novo Banco, aquela que afirmam ser a maior manifestação de sempre, reunindo centenas de manifestantes de várias partes do país.

O presidente da direção da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial (AIEPC) do GES, Ricardo Ângelo, explicou que a razão deste protesto é alertar os potenciais compradores do Novo Banco para o facto de que, ao comprarem o banco, vão também "comprar os problemas dos lesados do BES que ainda estão por resolver".

"Não renunciaremos", disse Ricardo Ângelo, explicando que os lesados não vão abdicar dos seus direitos.

Em declarações aos jornalistas, o porta-voz dos manifestantes garantiu que "esta é a maior manifestação de sempre".

Pelas 12:10, os manifestantes saíram da sede do Novo Banco, junto à Avenida da Liberdade, em Lisboa, para o Santander Totta, que fica a poucos metros de distância, seguindo depois para um "périplo" por agências dos bancos espanhóis apontados como potenciais compradores do Novo Banco.

Desde que o Banco Espírito Santo (BES) foi alvo de uma medida de resolução, no verão de 2014, que clientes do retalho detentores de papel comercial do GES, que compraram os títulos aos balcões do BES, têm vindo a desenvolver várias ações com vista a recuperar o dinheiro investido.

De acordo com as informações recolhidas pela Lusa, são atualmente 2.040 os subscritores de papel comercial que reclamam cerca de 400 milhões de euros.

O caso BES

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM