Economia

Comboio sem paragens entre Porto e Vigo a partir de julho

Comboio sem paragens entre Porto e Vigo a partir de julho

A novidade foi anunciada, esta segunda-feira, na XXVI Cimeira Luso-Espanhola, em Madrid, onde os governos dos dois países se congratularam com a introdução de um comboio direto diário entre Porto e Vigo nos dois sentidos e de um bilhete único nessa ligação ferroviária, a partir deste verão.

"[Portugal e Espanha] felicitam-se pelas melhorias acordadas no setor do transporte ferroviário de passageiros [...] e manifestam o compromisso de ambos em agilizar os recursos disponíveis que permitam finalizar a eletrificação de todo o trajeto até 2016", refere a declaração final da cimeira.

Segundo declarou ao JN o ministro da Economia e do Emprego, Álvaro Santos Pereira, os últimos detalhes estarão ainda a ser acertados entre a CP e a Renfe, mas já é certo que o serviço direto começará a ser efetuado dia 1 de julho, mantendo-se, pelo menos, uma das atuais ligações com paragens ao longo do percurso.

Garantiu que, de acordo com estudos efetuados, a Linha do Minho se encontra "preparada" para o comboio que se pretende implementar e que as decrépitas composições que nela circulam serão modernas e confortáveis. O objetivo é que a conexão Porto-Vigo evolua até 2016 para um Intercidades, que ligue as duas cidades em cerca de hora e meia.

"Norte à frente"

"A Região Norte e a Galiza estão à frente na integração económica entre as grandes regiões Ibéricas e por isso temos de dar prioridade total a essa integração e cooperação", justificou Santos Pereira, sublinhando que o novo comboio direto pretende "reforçar o papel do aeroporto Sá Carneiro na Região Nordeste da Península Ibérica".

Atualmente, o comboio entre Porto e Vigo é utilizado principalmente por estudantes, trabalhadores, turistas e peregrinos a Santiago de Compostela. Cumpre todos os dias, duas vezes ida e volta, a sua peregrinação de cerca de 3,30 horas, com paragens em quase todas as 13 estações do percurso.

De Campanhã até Barroselas, circula a uma velocidade de 100 km/hora, mas atravessa as pontes de Viana do Castelo a 30 quilómetros/hora e de Valença/ Tui (Galiza) a 10 km/hora. Na fronteira, saem o maquinista e revisor portugueses e entram colegas galegos. O bilhete comprado em Portugal é válido até Tui. A bordo, o passageiro tem de comprar novo bilhete até Vigo.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM