Desemprego

Espanha tem três milhões de desempregados de longa duração

Espanha tem três milhões de desempregados de longa duração

Os desempregados de longa duração em Espanha - sem trabalho há mais de um ano - são quase três milhões de pessoas e representam 52,2% do total dos que não estão a trabalhar.

Segundo a organização de empresas de trabalho temporal AGETT, no final de junho o total de desempregados de longa duração em Espanha era de 2.974.000, com o desemprego entre os maiores de 55 anos a quadruplicar desde o início da crise.

O desemprego para os maiores de 55 anos passou de 5,5% no terceiro trimestre de 2007 a 16,8% no segundo trimestre deste ano, com um total de 495.700 pessoas nesta situação.

Na sua análise, a AGETT refere que 67% dos desempregados com mais de 55 anos está há procura de trabalho há mais de um ano, mas que é também o grupo mais ativo na procura de trabalho.

"A necessidade de conseguir rendimentos extras para compensar a perda de emprego dos demais membros da família leva essa geração a ter que sair em busca de emprego", afirmou.

Todas as comunidades autónomas do país, exceto Castela la Mancha e La Rioja, aumentaram o peso dos desempregados de longa duração, com o valor mais elevado a registar-se em Valência, onde atinge os 55,3%.

O estudo confirma também que o ritmo de destruição de emprego tem sido praticamente o mesmo quer no setor privado quer no público, respetivamente de 6,0% e de 5,5%.

"Está a notar-se de forma clara o ajuste no emprego do setor público como consequência das medidas adotadas pelas comunidades autónomas para o cumprimento do défice", refere o relatório.

Apenas cinco comunidades autónomas criaram emprego público no segundo trimestre do ano (em termos homólogos): La Rioja, Astúrias, Aragão, Catalunha e País Basco.

Conteúdo Patrocinado