Economia

Eurogrupo decidirá a seu tempo como aplicar condições da Grécia a Portugal e Irlanda

Eurogrupo decidirá a seu tempo como aplicar condições da Grécia a Portugal e Irlanda

O primeiro-ministro afirmou, este domingo, que as novas condições de financiamento da Grécia se aplicam parcialmente a Portugal e à Irlanda e que o Eurogrupo decidirá, a seu tempo, os termos dessa igualdade de tratamento.

"Como disse o presidente do Eurogrupo, essa matéria deverá ser analisada, no que respeita à Irlanda e a Portugal, numa reunião subsequente do Eurogrupo. Portanto, a seu tempo, sem qualquer ansiedade, veremos no Eurogrupo em que termos é que Portugal e a Irlanda haverão de beneficiar desse princípio de igual tratamento", declarou Pedro Passos Coelho.

Questionado se as novas condições de financiamento da Grécia vão aplicar-se ou não a Portugal, na conferência de imprensa que encerrou a II Cimeira Portugal/Cabo Verde, na cidade cabo-verdiana do Mindelo, o primeiro-ministro começou por referir que "o acordo que foi atingido em Bruxelas tem uma componente específica para a Grécia", que "não se aplica a quaisquer outros países".

O primeiro-ministro acrescentou que esse acordo tem, "depois, uma outra componente que não está relacionada diretamente com esse programa para a Grécia, e que tem que ver com o acordo quadro no qual se baseia o instrumento mais importante que a União Europeia tem na gestão de crises financeiras em vigor, que é agora o Mecanismo Europeu de Estabilidade".

Pedro Passos Coelho assinalou que, "no âmbito desse acordo quadro, está definido que as condições essenciais de ajuda a estes países beneficiam de um princípio de igual tratamento" e concluiu que falta definir em que termos aquilo que foi acordado para a Grécia se aplicará a Portugal e à Irlanda.

O acordo global a que os países da zona euro chegaram com o Fundo Monetário Internacional contempla uma redução dos juros dos empréstimos a pagar pela Grécia aos seus credores, estende os prazos para o pagamento dos mesmos, e traça uma fórmula para a redução da dívida grega para 124% do Produto Interno Bruto (PIB) até 2020, o que permitirá "corta" cerca de 40 mil milhões de euros na dívida pública grega.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM