Quarta-feira

Greve da Eurest pode afetar cantinas de escolas e hospitais

Greve da Eurest pode afetar cantinas de escolas e hospitais

Os trabalhadores da empresa Eurorest, que prestam serviços de alimentação em escolas, hospitais e fábricas, vão estar em greve em 21 de junho, para reivindicar aumentos salariais.

Num comunicado à imprensa, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria anunciou a paralisação, afirmando que "todas as empresas das cantinas, refeitórios e bares concessionados deram aumentos salariais aos trabalhadores, embora insuficientes, exceto a Eurest".

A estrutura sindical acusou mesmo a Eurest de ter dito aos funcionários para não fazerem greve a 15 de maio, porque "ia dar aumentos salariais a todos os trabalhadores no final do mês", após sete anos de congelamento salarial, mas até agora nada aconteceu nem deu qualquer justificação.

Ainda sobre a Eurest, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria afirmou que a situação das trabalhadoras das escolas vai agravar-se "porque o contrato vai terminar e a Eurest já disse que vai sair sem dar aumentos e retroativos".

A greve, marcada para dia 21, dia de exames nacionais, coincide com a greve de professores, marcada para o mesmo dia.

Quanto aos aumentos salariais dados pelas outras empresas do setor, considerou a estrutura representativa dos trabalhadores que estes são "muito baixos" e acusou as empresas de, "em troca dos míseros aumentos salariais", quererem "que os sindicatos aceitem acabar com importantes direitos dos trabalhadores"

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria referiu que continua com negociações com vista a maiores aumentos e melhores direitos laborais.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM