Economia

Novo Banco quer "reduzir em 2016 cerca de mil trabalhadores"

Novo Banco quer "reduzir em 2016 cerca de mil trabalhadores"

A equipa de gestão do Novo Banco esclareceu esta quinta-feira que a reestruturação da entidade implica o despedimento de até 500 trabalhadores em 2016, mas tem o objetivo de dispensar 1000 trabalhadores.

Num comunicado interno dirigido aos funcionários do banco, a que a agência Lusa teve acesso, a administração liderada por Eduardo Stock da Cunha reconheceu "a inevitabilidade de redução de colaboradores", mas destacou que "o esforço que tem vindo a ser desenvolvido nos últimos meses, nomeadamente por via de reformas antecipadas, irá permitir limitar o esforço de redução de colaboradores ainda por concretizar para um número não superior a 500".

Mas num comunicado interno enviado aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, a administração do Novo Banco realçou que o plano de reestruturação aprovado pela Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia "desdobra-se num conjunto de medidas, com destaque para uma redução de 1000 colaboradores em 2016 e redução de 150 milhões de euros no total de custos operacionais".

Algumas horas antes, numa nota de imprensa, a Comissão Nacional de Trabalhadores (CNT) do Novo Banco tinha dito que "o banco terá que reduzir em 2016, cerca de 1000 postos de trabalho, sendo suposto que 500 sejam através do recurso a um despedimento coletivo".

"Informámos que não aceitamos nem pactuamos, de forma alguma, com despedimentos coletivos no nosso banco", destacou a entidade que representa os trabalhadores.

A CNT vincou que "os trabalhadores do Novo Banco são profissionais sérios e honestos, não tendo quaisquer responsabilidades sobre o que se passou com o BES, em agosto de 2014", prometendo "lutar até ao limite" pela manutenção de todos os postos de trabalho e pela manutenção dos direitos adquiridos.

"Solicitamos a todos os trabalhadores que não assinem qualquer documento, sem previamente consultarem a CNT ou o seu sindicato", realçou a entidade.

Em 2015, o Novo Banco já tinha cortado 411 postos de trabalho, para 7311, e fechado 40 agências, para um total de 635.

No mercado doméstico, o número de trabalhadores do Novo Banco baixou para 6571 no ano passado, menos 261 do que em 2014, e foram encerradas 35 agências para um total de 596 em Portugal.

Já na atividade internacional o quadro de pessoal foi reduzido em 150 trabalhadores para um total de 740 e o número de balcões baixou para 39, menos cinco do que em 2014.

Quarta-feira, o Novo Banco apresentou resultados. A instituição liderada por Stock da Cunha teve prejuízos de 980,6 milhões de euros no exercício de 2015.

Conteúdo Patrocinado