Impostos

Polónia anuncia nova "taxa do supermercado"

Polónia anuncia nova "taxa do supermercado"

O ministério das Finanças polaco vai introduzir uma taxa que terá impacto nas cadeias de supermercados internacionais que operam na Polónia, como é o caso da portuguesa Jerónimo Martins.

Apelidada de "taxa do supermercado", esta medida será aplicada a retalhistas que tenham lucros anuais superiores a 300 milhões de zloty (cerca de 67 milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

O imposto será de 1,3% sobre os seus ganhos, referiu o ministro das Finanças polaco, em comunicado citado pela agência AFP.

Nas cadeias de supermercados que tenham lucros inferiores a 67 milhões de euros o imposto aplicado será de 0,7%.

Este imposto irá afetar, na sua maioria, as cadeias de supermercados internacionais que operam na Polónia, tais como a portuguesa Jerónimo Martins, que tem a subsidiária polaca Biedronka, a britânica Tesco, as francesas Carrefour e Auchan ou as alemãs Kaufland e Metro.

Os pequenos negócios com resultados inferiores a 1,5 milhões de zloty (335 milhões de euros) não serão afetados pela nova taxa.

Por sua vez, as vendas do setor do retalho realizadas nos sábados, domingos e feriados serão taxadas a 1,9%.

O partido eurocético Direito e Justiça (PiS) tinha prometido introduzir a taxa, que agora foi enviada ao gabinete do primeiro-ministro polaco para análise, durante a sua campanha eleitoral, da qual saiu vencedor.

O ministério das Finanças polaco espera encaixar dois mil milhões de zloty (447 milhões de euros) com a imposição da taxa dos supermercados este ano.

O Governo adiantou que o dinheiro será usado para programas sociais.

O Ministério das Finanças considerou que a imposição da medida não irá aumentar os preços para os consumidores.

Conteúdo Patrocinado