Juros

Portugal coloca 1728 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro

Portugal coloca 1728 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro

Portugal colocou 1728 milhões de euros, acima do montante indicativo, em Bilhetes de Tesouro a seis e 12 meses a taxas de juro médias positivas.

Segundo informação da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na página da Bloomberg, dos 1728 milhões de euros, 1285 milhões de euros foram colocados em Bilhetes de Tesouro a 12 meses à taxa de juro média de 0,050%, superior à de -0,001% registada em janeiro. A procura foi de 1770 milhões de euros, 1,38 vezes o montante colocado.

Os restantes 443 milhões de euros foram colocados em Bilhetes de Tesouro a seis meses à taxa de juro média de 0,009%, também acima da de -0,013% verificada em janeiro. O total de propostas de compra cifrou-se em 948 milhões de euros, 2,14 vezes superior ao montante colocado.

O IGCP tinha anunciado que pretendia arrecadar entre 1200 e 1500 milhões de euros nestes leilões de Bilhetes de Tesouro que vencem em 23 setembro de 2016 (seis meses) e em 17 março de 2017 (um ano).

No último leilão comparável, que ocorreu em janeiro, o IGCP conseguiu superar o montante indicativo global (1500 milhões) e obteve taxas negativas: colocou 550 milhões de euros a seis meses a uma taxa média de -0,013% e 1.250 milhões de euros a um ano a uma taxa média de -0,001%.

Este foi o último leilão de BT previsto para o primeiro trimestre, durante o qual a agência liderada por Cristina Casalinho prevê emitir entre 3000 milhões e 3750 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro, através de seis leilões de dívida de curto prazo, entre os seis e os 12 meses.

Segundo o diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva, "Portugal continua a conseguir emitir a taxas quase de zero e com níveis de procura muito razoáveis".

"Sempre que a República Portuguesa consiga fazer o 'roll over' da dívida a taxas muito baixas é sempre de saudar", afirmou Filipe Silva, adiantando que "emitir a taxas próximas de zero, para um país que tem problemas estruturais na sua economia é de aproveitar" e daí que se compreenda que o montante de dívida emitida até tenha sido superior ao previsto.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado