Economia

Semana de greve nos transportes

Semana de greve nos transportes

A próxima semana vai ser marcada por greves em diversas empresas de transportes públicas e privadas a nível nacional. Só para terça-feira é que não estão programadas paragens contra os cortes nas remunerações. Os CTT também aderiram aos protestos.

Com o aproximar das greves, convocadas por um conjunto de sindicatos do sector dos transportes e comunicações, filiados na CGTP, na UGT e independentes, o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, António Mendonça, apelou ao "bom-senso". "A situação exige bom-senso, exige responsabilidade. Estou certo de que esse bom-senso e esse sentido de responsabilidade se vão impor", referiu o ministro.

O arranque das paralisações é dado, na segunda-feira, pelo Metropolitano de Lisboa. Os trabalhadores param entre as 6.30 horas e as 11.30 horas da manhã e a empresa anunciou que o funcionamento normal dos serviços só terá início a partir das 12 horas. Na terça-feira, segundo a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), não há greve em nenhuma das empresas.

Na quarta-feira, as paralisações retomam e afectam a Transtejo e a Carris, em Lisboa, e a STCP, no Porto. Na Transtejo, os trabalhadores vão parar três horas por turno. Na Carris, a paragem ocorre entre as 10 e as 14 horas, e na STCP não haverá transportes entre as 9.30 e as 14 horas.

A quinta-feira é a vez dos trabalhadores do sector ferroviário. Na CP, CP Carga, Refer e EMEF, a paralisação abrange todo o período de trabalho, a única excepção será entre os "trabalhadores de tracção", onde se incluem os maquinistas, que param entre as 5 e as 9 horas. Nesse dia, os trabalhadores dos CTT também aderem à greve e vão paralisar três horas por turno.

O fim da semana de protestos cabe aos trabalhadores das empresas privadas de transportes que estão contra o congelamentos de salários. Na Soflusa, em Lisboa, os trabalhadores param duas horas por turno, na Rodoviária de Entre Douro e Minho, Braga, e na Rodoviária da Beira Interior, Coimbra, as paragens ocorrem entre as 3 e as 14 horas.

Sem serviços

Metropolitano

Na segunda-feira, o Metropolitano de Lisboa não garante serviços mínimos. A empresa diz que "no seguimento do acórdão proferido no âmbito da arbitragem obrigatória, que teve lugar no Conselho Económico e Social, não foi fixada a prestação de serviços mínimos relativamente à circulação de comboios, pelo que o ML não poderá garantir o serviço de transporte entre as 6.30 e as 11.30". A Carris também não terá serviços mínimos na quarta-feira.

STCP

No Porto, a STCP também garantiu que, na quarta-feira, não haverá transportes alternativos. Segundo o conselho de administração da STCP, "existe um plenário geral de trabalhadores que reunirá, no dia 9, fora das horas de ponta (entre as 10 e as 14), mas dentro das 15 horas anuais legalmente estabelecidas para que os trabalhadores possam reunir e discutir os assuntos que lhes dizem respeito, não havendo, portanto, lugar a quaisquer transportes alternativos".

Conteúdo Patrocinado