Economia

Taxa sobre sacos não teve efeito desejado pelo governo

Taxa sobre sacos não teve efeito desejado pelo governo

A tão badalada taxa sobre os sacos de plástico finos, em vigor há pouco mais de três meses, não terá tido o efeito "verde" desejado pelo Governo. Em contrapartida, há fabricantes em apuros e trabalhadores que perderam o emprego.

"A quebra na produção foi de 90% e, a nível de faturação, em três meses, foi superior a 30%", revela Paulo Almeida, diretor-geral da Plasgal, um dos maiores fabricantes portugueses de embalagens. "Os sacos finos representavam 60% da nossa produção, agora são 6% e é tudo para exportar. Mas até isso tem sido difícil", acrescenta. A empresa não tem estado a despedir, mas deixou de renovar contratos. "Em três meses, foram embora 15 das 115 pessoas que laboravam".

A adaptação das máquinas para produzir sacos de lixo não é rápida ou barata e também não dá garantias de compensar, ainda que a Silvex, a maior produtora nacional de sacos de lixo, já tenha dito que está a vender o dobro desde que os portugueses deixaram de contar com os sacos das compras para depositar os resíduos domésticos.

"Sofremos uma enorme concorrência dos produtos asiáticos. Chegam a preços impossíveis de bater e alguns são embalados cá, como se fossem portugueses", denunciou Borges do Amaral, diretor-geral da Topack, uma das empresas do maior grupo nacional de plásticos. "Os sacos do lixo não competem pela qualidade, é pelo preço", apontou, estimando que a taxa dos sacos originou uma quebra na produção entre 15% e 20%. "Temos prescindido de postos de trabalho e a procissão ainda vai no adro".

As encomendas de sacos mais grossos, isentos de taxas, são mais espaçadas e de menor escala, porque, como diz a Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição, "o consumidor adaptou-se rapidamente a reutilizar". Mas nem por isso diminuiu a quantidade de plástico no lixo. Segundo Luís Veiga Martins, diretor-geral da Sociedade Ponto Verde, nos últimos três meses, "foram retomadas cerca de cem mil toneladas de resíduos de embalagens", o que representa um crescimento de 3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Para a Grande Distribuição, a medida terá sido vantajosa: ao invés de oferecer sacos de plástico finos, que representavam um custo unitário entre um e dois cêntimos, agora compram sacos isentos de taxa entre cinco e sete cêntimos, e vendem-nos ao consumidor a preços que começam em dez cêntimos, criando uma receita onde, antes, existia um custo.

"O pequeno comércio absorveu o custo dos sacos grossos, mais caros, e continua a oferecer os sacos", admite Nuno Camilo, presidente da Associação de Comerciantes do Porto. "Nesta altura, mesmo alguns que tentaram impor o pagamento dos sacos acabaram por recuar."

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM