Tecnologia

Arquivo.pt preserva milhões de páginas da Internet

Arquivo.pt preserva milhões de páginas da Internet

O Arquivo.pt, serviço de pesquisa digital público e gratuito de informação perdida na internet, recolheu, em 2015, cerca de 580 milhões de ficheiros e foi acedido, em média, por 3.692 utilizadores por mês, foi hoje divulgado.

Os dados foram divulgados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) numa nota de imprensa, que precisa que 90 por cento dos utilizadores eram, em 2015, "novos utilizadores".

O Arquivo.pt (Arquivo da Web Portuguesa), a funcionar como serviço público de pesquisa desde 2012, tem guardados, atualmente, cerca de 2.700 milhões de ficheiros, sendo que qualquer pessoa pode sugerir páginas web para preservação.

As páginas da Expo 98, do Euro 2004 ou das Presidenciais 2001 e da primeira página web portuguesa são alguns dos muitos conteúdos arquivados a que se pode aceder.

A preservação de páginas web do passado faz-se automaticamente e recorrendo a "um sistema informático de larga escala" que permite a recolha diária de 300 publicações selecionadas, sendo que, a cada três meses, todos os sítios sob o domínio ".pt" são guardados.

A FCT adianta que são ainda preservadas páginas sob outros domínios, como ".org", ".com" ou ".eu".

O Arquivo da Web Portuguesa é uma iniciativa da Fundação para a Computação Científica Nacional (FCCN), uma unidade da FCT que realizou, em 2008, a primeira recolha de páginas portuguesas de internet, partindo de um projeto de investigação de preservação digital conduzido pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, entre 2001 e 2006.

Para 2016, a FCCN espera disponibilizar páginas dedicadas às eleições presidenciais de 24 de janeiro e desenvolver um protótipo de pesquisa de imagens arquivadas.

Segundo a nota da Fundação para a Ciência e Tecnologia, o Arquivo.pt "é essencial para conservar uma parte da herança cultural do país e para contribuir para que informação valiosa não se perca", e não serve só utilizadores nacionais, uma vez que "preserva páginas em várias línguas e oferece a possibilidade de acesso a conteúdos históricos em português a utilizadores estrangeiros, através de ferramentas de tradução automática".

A FCT lembra que, passado um ano da publicação, 80 por cento das páginas 'online' desaparecem ou são alteradas.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado