comunidade cigana

"Galo @rtis" vai apoiar comunidade cigana

"Galo @rtis" vai apoiar comunidade cigana

Arranca hoje o "Galo @rtis", um projeto de combate ao absentismo e abandono escolar da comunidade cigana, o público-alvo no concelho de Barcelos.

Com a assinatura do protocolo, hoje, na Feira Internacional de Lisboa, dá-se o início de um conjunto de ações para aumentar o nível de escolaridade e a inserção social desta comunidade.

Manuela Santos, assistente operacional pré-escolar, foi a primeira a ser integrada em contexto de trabalho numa escola e é o rosto do "Galo @rtis", uma vez que teve nota de excelência. "Sinto-me muito mais independente, todos me tratam bem. O meu objetivo é estudar e ser professora", conta.

"O objetivo é, através da arte, como o nome (@rtis) indica, trabalhar a parte mais recreativa e lúdica para cativar o interesse educacional", explica Raquel Durães, diretora técnica do Centro Social e Cultural e Recreativo Abel Varzim. "O programa vai apoiar 267 pessoas de forma direta e 487 indiretamente, uma vez que não se consegue inclusão se não se trabalhar com o todo". Além de Manuela, há já mais nove pessoas a trabalhar.

Miguel Monteiro, o mediador municipal da comunidade cigana barcelense, tem sido o responsável pela comunicação com a Autarquia, parceira do projeto, e conta como a integração se nota até na autoestima.

Há pessoas que já trabalham e até conseguiram alugar uma casa. E isso faz com que se sintam importantes", diz Miguel Monteiro, que manifesta a importância na formação dos jovens.

Para Armandina Saleiro, vereadora da Educação e Ação Social da Câmara de Barcelos, "começar nas escolas permite chegar de forma menos discriminatória, porque o contacto e os afetos entre as comunidades geram-se".

Com um orçamento de cerca de 300 mil euros, o "Galo @rtis" terá a duração de três anos e destina-se a crianças e jovens dos seis aos 30 anos.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado