Porto

Iara queimada com óleo por causa da pressa

Iara queimada com óleo por causa da pressa

Depois do acidente que aconteceu em 2006, em que Iara Filipa, então com seis anos, foi queimada com óleo a ferver no café Deu La Deu, na Rua de Sá da Bandeira, no Porto, o estabelecimento foi obrigado a mudar o local do recipiente onde guardava a gordura queimada.

Segundo Benjamim Silva, gerente do café - ilibado em julgamento anterior e que, esta quarta-feira, foi chamado a depor do decorrer de um processo cível, em que a família da criança pede uma indemnização de 700 mil euros - disse em tribunal que, depois do acidente, o recipiente passou a estar "dentro da cozinha, mesmo por baixo da fritadeira".

Conforme explicou o réu, a medida foi tomada "por iniciativa da firma, depois de uma inspeção que foi feita ao café", logo após o acidente. Em tribunal, ficou provado que era prática corrente no café a gordura ser transportada num balde e depois ser despejada num recipiente que estava no terraço.

Reclamada indemnização

Para isso, era necessário "passar por um corredor, mesmo em horas de atendimento ao público", confirmou, também ontem, a cozinheira, Clara Santos. Porém, a funcionária referiu "que era costume esperar que o óleo ficasse frio". Coisa que não aconteceu no dia do acidente, porque estava "com pressa para ir ao dentista". Ainda na sessão de ontem, Benjamim Silva confessou sentir-se "chocado" com o sucedido, mas referiu que "no meio daquela confusão", limitou-se a "limpar o chão, porque estava escorregadio", não dando qualquer assistência à criança. O dono do café, Aurélio Rodrigues, foi dispensado da sessão, por ter sofrido recentemente um AVC.

Sara Ribeiro, mãe de Iara, confessou que tem "sido muito difícil" suportar as despesas com a menina (tem 40% do corpo queimado) e, por isso, reclama a indemnização como "indispensável. A sessão continua hoje na 1ª Vara Cível do Porto.

Maior desejo de menina é ir ao Dragão e privar com ídolo do futebol

Iara, 12 anos, que já fez várias cirurgias, vive em stress pós-traumático e sofre de anorexia. A mãe, Sara, confessa que um dos "maiores desejos" da filha é conhecer Hulk, o avançado do Futebol Clube do Porto. "Seria uma grande alegria para ela", referiu.

Recomendadas

Outros conteúdos GM

Conteúdo Patrocinado