Porto

Os saltos deles vão dar um filme

Os saltos deles vão dar um filme

Tal como no filme Aniki-bobó, de Manoel de Oliveira, realizado há mais de 70 anos, os saltos acrobáticos da ponte Luiz I vão dar origem a um filme. Na Ribeira, o casting para escolher "atores" será quinta-feira.

A curta-metragem só começará a ser rodada no Porto a partir de setembro. Mas até lá, há que encontrar os "atores" da película, que terá a Ribeira como cenário principal. O elenco será escolhido a partir de um casting, que acontecerá na próxima quinta-feira, a partir das 14 horas, no auditório da Junta de S. Nicolau. Certo é que serão escolhidos rapazes, entre os nove e os 12 anos e raparigas, com idades entre os 12 e os 15 anos.

A julgar pelos saltos que aconteceram, ontem, durante todo o dia, da ponte Luís I para o rio Douro - muito por culpa da temperatura ter ultrapado os 30 graus - não vão faltar candidatos no casting.

A ideia, segundo revelou, ao JN, António Fonseca, presidente da Associação de Bares da Zona Histórica do Porto, e parceira deste projeto, é "aproveitar aquele que é o maior cartão de visita da cidade, num híbrido entre documentário e ficção, e passar a mensagem do que é típico e mais genuíno no Porto".

"Os protagonistas da nossa história são um grupo de jovens que passam o seu tempo livre a mergulhar da famosa ponte Luís I, tornando--se involuntariamente numa espécie de atração turística para os visitantes", pode ler--se na apresentação da película, "Os meninos do rio", do jovem realizador espanhol Javier Macipe Costa.

A curta-metragem, além de contar com a produtora portuguesa, Riot Films, terá um apoio do Governo Regional de Saragoça (Espanha).

Vício de tenra idade

Vontade não faltava a Anabela Palavrinhas, nascida e criada na Ribeira, para entrar na curta-metragem. "Pena que já não tenha idade para isso", desabafou, enquanto soltou uma gargalhada. Tal como a filha, Belinha, de 15 anos, que salta corajosa da ponte desde os sete, também ela continua a sentir "adrenalina" sempre que se atira ao rio, a 25 metros de altura.

Mal o sol começou "a apertar" foi ver a miudagem ao despique a ver quem se tirava primeiro. A mais nova, Francisca, tem quatro anos, mas ainda só se atreve a lançar-se das escadas da Padeira. Já Alexandre, o mais velho, com 16 anos, salta de pés juntos da ponte. Ontem, para incentivar a "canalhada" atirava-se do muro da Ribeira, recebendo aplausos da plateia.

"Isto é uma coisa histórica, única da Ribeira, que nunca irá morrer", confessou, vaidosa, Anabela.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM