O Jogo ao Vivo

Grécia

A noite em que a Grécia disse não à Europa

A noite em que a Grécia disse não à Europa

O "Não" venceu o referendo grego deste domingo, numa resposta clara do povo helénico às condições que os credores querem impor para manter a assistência financeira à Grécia. Acompanhe a noite de todas as decisões para a Grécia e para a Europa.

1.07 Resultados finais: O 'não' às propostas dos credores obteve 61,31% no referendo de domingo na Grécia, segundo números definitivos, divulgados pelo Ministério do Interior grego. Com a totalidade dos votos contados, o 'sim' foi a escolha de 38,69% dos gregos enquanto 5,80% dos votos foram considerados brancos ou nulos. A abstenção foi de 37,5%, num universo de quase 10 milhões de eleitores, de acordo com os mesmos dados.

23.28 O presidente do Eurogrupo considerou a vitória do "não" no referendo "um resultado muito lamentável", que não afasta a necessidade de "medidas difíceis" para a recuperação da economia grega. Jeroen Dijsselbloem diz que o Eurogrupo "vai aguardar" pela iniciativa de Atenas. "Este resultado é muito lamentável para o futuro da Grécia. Para a recuperação da economia grega, são inevitáveis medidas difíceis e reformas", afirmou Jeroen Dijsselbloem, numa primeira reação da presidência do fórum dos ministros da zona euro.

23.09 Martim Schulz entende que o governo grego "conduziu o país" a uma situação "difícil", da qual os cidadãos "não tem culpa". Por isso, Martim Schulz defende que seja accionado um plano humanitário, para enfrentar os problemas que "vão agravar-se". Schulz considera que a vitória do "não" assenta sobre uma mentira de Tsipras.

22.37 O presidente do Conselho Europeu confirma que se vai realizar uma cimeira extraordinária dos chefes de Estado e de Governo na zona euro para a próxima terça-feira, em Bruxelas, para discutir o resultado do referendo na Grécia.[Imagem:14]

22.28 Já há reação oficial da Comissão Europeia. Em comunicado, o órgão executivo da União Europeia "toma nota e respeita o resultado do referendo" , acrescentando que o seu presidente, Jean-Claude Juncker, está a conversar, este domingo, com os líderes dos países da zona euro. E anunciou que esta segunda-feira de manhã vai realizar uma teleconferência com os presidentes do Eurogrupo, do Banco Central Europeu e do Conselho Europeu.

22.24 Tsipras vai reunir-se com o presidente da República da Grécia, Prokopis Pavlopoulos, para lhe solicitar a convocação de uma reunião de emergência com os líderes políiticos gregos.

22.09 Quase 90% dos votos estão contados. "Não": 61,5%, "Sim": 38,5%

21.34 Está a ser divulgada uma declaração gravada de Alexis Tsipras. "O povo grego deu a resposta certa", diz. "A partir vamos retomar as negociações e a nossa prioridade é o funcionamento do sistema bancário. o Banco Central Europeu entende a crise humanitára da grécia. Precisamos de um plano viável e justo". "Não há soluções fáceis, mas há soluções viáveis". O primeiro-ministro grego também garante: "A saída da Grécia da Europa está fora de questão". Mais: Tsipras insiste na questão da reestruturação da dívida. [Imagem:12]

21.32 A reacção do CDS-PP: Cecília Meireles defendeu que o Governo grego deve agora apresentar "soluções alternativas, viáveis e executáveis", dispensando "retóricas ideológicas".

21.22 Antonis Samaras, o líder da oposição e do partido de direita Nova Democracia, anunciou a sua demissão. Festa na praça Syntagma continua. [Imagem:11]

21.12 A chanceler alemã e o Presidente francês solicitaram ao presidente do Conselho Europeu a realização de uma cimeira extraordinária da zona euro na terça-feira, na sequência do referendo de hoje na Grécia, anunciaram Berlim e Paris.

21.00 Referendo grego teve uma adesão superior a 50%. Vitória do 'não' é cada vez mais irrefutável. Há já 70% dos votos contados e o "Não" tem 61%. Todos, na Grécia e na Europa, dão como certa a vitória do "Não". [Imagem:9]

20.50 Marco António Costa, do PSD, considera que resultado no referendo coloca nas mãos do governo grego o "dever" de apresentar uma solução para o país.

20.49 O deputado conservador alemão, Hans Michelbach, diz que a Grécia "escolheu o caminho do isolamento".

20.40 O vice-chanceler alemão Sigmar Gabriel considera que Tsipras "derrubou a última ponte de comprometimento que poderia conduzir a um acordo entre a Grécia e a Europa". E considera que "é difícil imaginar novas negociações".

20.33 O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, acaba de fazer uma declaração na televisão, dizendo que "os gregos não podem pagar a dívida com sangue" e que "a dívida deve ser negociada de forma amigável". [Imagem:10]

20.28 A televisão grega está a noticiar que Alexis Tsipras tem falado com vários líderes europeus durante esta tarde, começando pelo presidente francês, François Hollande. O presidente do BCE, Mario Draghi , terá sido também contactado. Recorde-se que ainda ontem o economista Thomas Piketty pediu a Hollande para vetar uma saída da Grécia da Zona Euro.

20.20 O ministro do Trabalho da Grécia, Panos Skourletis, encara a provável vitória do" não" como sendo um novo impulso para a posição negociadora grega. "O governo tem agora uma poderosa ferramenta negociadora para chegar a um acordo capaz de abrir um novo caminho", afirmou. [Imagem:8]

20.12 Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, classificou a provável vitória do "não" no referendo grego como sendo uma "grande e bela lição de democracia".

20.10 A Grécia deu "um passo para a saída da zona euro". Quem o afirmou foi o vice-ministro da Economia russo, Alexei Likhachev.

20.05 Yanis Varoufakis desmentiu esta tarde, na sua conta do Twitter, ter dito que "haverá acordo nas próximas 24 horas". O ministro das finanças diz que os jornalistas traduziram mal o tempo verbal usado. O que ele disse, esclareceu, é que "poderá haver acordo nas próximas 24 horas".

19.58 Já foram contados metade dos votos e a diferença entre o "Não" e o "Sim" mantém-se: 61%-39%.

19.45 Os analistas financeiros começam a reagir aos resultados do referendo grego. Lobo Piccoli, da agência Teneo Intelligence, acaba de avaliar em 75% o risco de a Grécia deixar a zona do euro. Em delarações ao jornal económico "Financial Times", o analista diz não acreditar que o BCE reforce a linha de emergência aos bancos gregos

19.42 "Qualquer que seja o resultado final do referendo, as negociações têm de recomeçar imediatamente e ser levadas a bom termo. É o futuro da União Europeia que está em causa", diz PS.

19.34 A frase de Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, que está a incendiar as redes sociais: "Se a Grécia continua no Euro após o referendo? Claro que sim, mas em caso de vitória do 'não' no referendo, os gregos terão que introduzir uma nova moeda, porque o euro já não estará disponível como meio de pagamento." Schulz fez esta declaração esta tarde antes de conhecidos os primeiros resultados do referendo.

19.22 Já há 30% dos votos contados e o "Não" continua a liderar com 60%. [Imagem:5]

19.16 A nossa enviada a Atenas, Inês Schreck, está na praça Syntagma e diz que há milhares de pessoas nas ruas da capital grega. "O ambiente é de grande festa". [Imagem:4]

19.10 João Ferreira, do PCP, diz que vitória do não na Grécia representa "importante derrota para a União Europeia e o FMI"

19.06 Varoufakis reúne ainda hoje à noite com banqueiros gregos para pedir reforço da linha de emergência.

19.04 Eurogrupo cancela reunião marcada para amanhã e diz que não tem planos para agendar novo encontro.

18.52 Catarina Martins, do Bloco de Esquerda, diz que os gregos deram uma lição à Europa. "Entre a democracia e a chantagem, escolheram a democracia".

18.49 Projeção oficial divulgada pela Reuters dá vitória ao "Não", com 61% dos votos. O "Sim" não irá além dos 39%.

18.48 O porta-voz do governo grego, Gavriil Sakelaridis, disse que governo espera retomar as negociações para obter "imediatamente" um acordo. "As negociações devem acontecer dentro das próximas 48 horas", disse Sakelaridis disse à televisão privada ANT1.

18.34 Com 15% dos votos estão contados, o "Não" está à frente com 60%.

18.22 Já estão 10% dos votos contados e o "Não" está a frente. [Imagem:3]

18.16 Nikos Voutsis, ministro da Administração Interna da Grécia, diz que a participação no referendo superou os 50%. Relembramos que a fasquia para considerar o referendo como válido estava nos 40% de participação.

18.05 O ministro de Estado grego, Nikos Pappas, afirmou o acordo com os credores será "melhor" se se confirmar a vitória do "não" no referendo e assegurou que os bancos vão ter liquidez. O porta-voz do Syriza, Nikos Filis, fez declarações no mesmo sentido afirmando que os resultados das primeiras sondagens, que apontam para uma vitória do "não", dão "força ao Governo para se mover com rapidez e poder chegar a um acordo que normalize a situação do sistema bancário" da Grécia.

18.04 A nossa enviada especial à Grécia esteve ontem na ilha onde Tsipras e Varoufakis costumam passar os fins-desemana e percebeu que lá também a divisão entre os apoiantes do "Não" e os defensores do "Sim" é acentuada.

18.02 O resumo das projeções dos canais de televisão gregos. [Imagem:2]

17.54 Relembramos aqui alguns dos cenários que foram sendo projetados ao longo da semana para o que pode acontecer na Grécia, depois de conhecidos os resultados finais do referendo.

17.42 De acordo com as previsões da Alpha TV, o "Não" terá entre 49% e 54%, enquanto o "Sim" ao acordo conseguirá entre 45% e 50%. Uma outra cadeia de televisão grega, a Star TV, aponta para um resultado um pouco mais apertado, mas no mesmo sentido: o "não" a conseguir 49% a 54%, e o "sim" a ficar entre os 46% e os 51%. Segundo o jornal britânico The Guardian, uma primeira projeção, do instituto Metron, atribui 49% dos votos ao "Não" e 46% ao "Sim". Outra, do instituto GPO, dá 46% a 51% ao "Não" e 46,5% a 50,5% ao "Sim". Uma terceira, da Mark, atribui 49% a 54% ao "Não" e 45% a 50,5% ao "Sim". A quarta, do instituto MRB, dá 49% a 54% ao "Não" e 46% a 51% ao "Sim".

17.33 Merkel e Hollande anunciaram uma reunião para segunda-feira, no Eliseu, em Paris, para discutirem os resultados do referendo grego.

17.32 Os números avançados pelas televsiões baseiam-se em sondagens feitas pelo telefone. Não foram, nesta votação, organizadas sondagens à boca das urnas. [Imagem:1]

17.25 Em Atenas, na sede do partido Nova Democracia, da Oposição grega, onde o JN acompanhou a divulgação das primeiras previsões de resultados no referendo grego, as notícias foram recebidas com preocupação. Os apoiantes do partido, defensores do voto no "Sim" dizem agora que o primeiro-ministro grego ficou com uma responsabilidade ainda maior, que é a de conseguir um acordo melhor para o país.

17.13 As primeiras sondagens depois do fecho das urnas na Grécia apontam para uma vitória apertada do "Não", cuja vantagem está a ser avançada pelas seis principais estações gregas.

17.00 Fecharam as urnas e a votação no referendo grego terminou. Daqui a pouco vamos avançar as primeiras projeções feitas pelas televisões gregas.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado