EUA

Arkansas iniciou plano de execuções antes de químicos letais expirarem

Arkansas iniciou plano de execuções antes de químicos letais expirarem

O Estado norte-americano do Arkansas executou um recluso pela primeira vez em 12 anos no âmbito de um plano para executar outros antes de os químicos expirarem a 30 de abril.

A execução de Ledell Lee foi a primeira no Estado do Arkansas desde 2005. O homem foi declarado morto às 23.56 horas de quinta-feira (05.56 horas desta sexta-feira em Portugal continental), quatro minutos antes de a autorização de execução expirar.

Lee, de 51 anos, estava no corredor da morte por ter assassinado, em 1993, a sua vizinha Debra Reese, 26 anos, que atingiu 36 vezes com uma ferramenta. Sempre alegou estar inocente. Em vez do pedido de uma última refeição, quis receber a comunhão, noticiou a BBC.

O Estado tinha fixado quatro execuções duplas para um período de 11 dias em abril. Stacey Johnson, que também tinha a sua execução prevista para quinta-feira, viu a decisão ser suspensa para realização de novos testes de ADN, pedidos pelos advogados para demonstrar a sua inocência. Stacey Johnson foi condenado pela morte de Carol Heath, em 1993.

As oito mortes representariam o número mais elevado levado a cabo por um estado norte-americano num período tão curto, desde que o Supremo Tribunal reinstalou a pena de morte em 1976.

O Estado argumentou que as execuções tinham de ser realizadas antes de o "stock" de um químico letal (midazolam) expirar a 30 de abril. No entanto, as primeiras três execuções foram canceladas devido a decisões judiciais.

Outros dois reclusos devem morrer na segunda-feira e outro a 27 de abril.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM