Sismo

Bebé chinesa vai chamar-se "Nascida no dia do terramoto"

Bebé chinesa vai chamar-se "Nascida no dia do terramoto"

Zhen Sheng nunca poderá esquecer o sismo que abalou, no sábado de manhã, o sudoeste da China: os dois caracteres que compõem o seu nome significam, literalmente, "Nascido no dia do terramoto".

O bebé, uma menina, nasceu na improvisada sala de operações do Hospital de YaAn, onde estavam a ser socorridas as vítimas do sismo de magnitude 7 que abalou aquela região da província de Sichuan, causando mais de 180 mortos e milhares de feridos.

O parto ocorreu cerca das 10 horas (3 em Portugal continental), duras horas após o sismo, disse este domingo a agência noticiosa oficial chinesa Xinhua.

Foi o primeiro bebé nascido depois do terramoto e a mãe, Zhao Den, 30 anos, grávida de oito meses, não resistiu a dar-lhe o nome mais apropriado para a ocasião: Zhen Sheng.

Na China, o primeiro nome é, obrigatoriamente, o apelido do pai, mas quanto aos nomes próprios, a liberdade é total.

"Vida e morte parecem ser sempre os eternos temas das tragédias", comentou a Xinhua.

Numa outra história relatada pela agência, uma mulher foi retirada já morta dos escombros, mas o filho, de sete anos, que ela envolvia nos seus braços, salvou-se.

De acordo com um balanço oficial difundido às 17.30 horas (10.30 em Portugal continental), o número de mortos confirmados subiu para 186 e 21 pessoas continuavam desaparecidas.

O número de feridos também aumentou, para 11.393, e a terra continuou a tremer na região.

Pelos registos do Centro Sismologico local, desde sábado, registaram-se mais de 1.300 réplicas, três das quais com uma magnitude de 5 a 6 graus na escala de Richter.

Em Pequim, o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Qin Gang, agradeceu as ofertas de ajuda expressas por vários países, incluindo o vizinho Japão, com quem a China mantém uma acesa disputa territorial.

Qin Gang disse que "o governo e o povo chineses estão sinceramente agradecidos pelos várias formas de assistência oferecidas por alguns países", mas o país "tem garantido a capacidade de busca e salvamento" e, "dadas as dificuldades de trânsito e comunicações nas zonas atingidas, por ora não são necessários equipas e materias médicos estrangeiros".

O municipio de YaAn, situado a cerca de 120 quilómetros de Chengdu, a capital da província de Sichuan, fica numa zona de grande atividade sísmica.

Há cinco anos, aquela província foi abalada por um sismo ainda mais devastador, de oito graus na escala de Richter, que causou 87 mil pessoas.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM