Mundo

Começou desmantelamento parcial do acampamento de Calais

Começou desmantelamento parcial do acampamento de Calais

O desmantelamento da parte sul do campo de migrantes de Calais, norte de França, começou esta segunda-feira com um significativo dispositivo policial.

Duas escavadoras e cerca de 20 trabalhadores de uma empresa privada contratada pelo Estado começaram a desmontar as tendas e barracas instaladas numa zona de 100 metros por 100 metros na presença de numerosos agentes da polícia antimotim.

Alguns migrantes encontravam-se no local para recuperar objetos pessoais.

Mais de 30 viaturas da polícia e dois camiões antimotim estavam estacionados à entrada do campo para, segundo a prefeitura, garantir a segurança da operação.

A situação era calma, embora uma ativista da organização britânica de apoio aos migrantes "No Borders" tenha sido detida.

Uma porta-voz da prefeitura, Fabienne Buccio, disse à agência que três quartos dos abrigos daquela zona do campo estão vazios, abandonados pelos migrantes depois de terem sido informados da evacuação da zona.

Segundo a prefeitura, vivem no campo, conhecido como "Selva", 3.700 pessoas, das quais 800 a 1.000 são afetadas pela evacuação.

Organizações que trabalham com os migrantes asseguram por seu lado que a operação afeta maisde 3.000 pessoas, entre as quais 300 crianças desacompanhadas.

Os migrantes retirados foram aconselhados a instalar-se em contentores climatizados na parte norte do campo ou num dos 100 centros de acolhimentos em toda a França.

A evacuação da parte sul da "Selva" foi contestada em tribunal por um grupo de migrantes e organizações, mas a justiça decidiu na quinta-feira a favor do Estado.

Cerca de 4.000 migrantes, oriundos sobretudo da África subsaariana, vivem em condições muito precárias no campo, à espera de uma oportunidade para atravessar clandestinamente o Canal de Mancha e chegar ao Reino Unido.

Conteúdo Patrocinado