O Jogo ao Vivo

Aviso

Coreia do Norte diz que guerra pode rebentar a qualquer momento

Coreia do Norte diz que guerra pode rebentar a qualquer momento

O diretor-geral de Organizações Internacionais da Coreia do Norte, Kim Chang-min, afirmou, esta segunda-feira, numa entrevista à agência espanhola EFE que a situação na região é "extremamente perigosa" e que uma guerra poderá rebentar a qualquer momento.

"Hoje está criada na península da Coreia uma situação extremamente perigosa que ninguém consegue prever quando vai ficar fora de controlo e descambar para uma guerra total", assegurou o alto funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Pyongyang.

Kim culpou os Estados Unidos pelo atual estado de tensão na região e considerou que o vice-presidente norte-americano, Mike Pence, ao afirmar numa visita à Coreia do Sul que quer defender os seus aliados asiáticos, na verdade está a procurar uma forma de fazer um "ataque preventivo para derrubar o regime" norte-coreano.

Em Moscovo, a Rússia também se pronunciou hoje sobre a crise coreana, afirmando esperar que os Estados Unidos não atuem de forma "unilateral" para resolver o problema dos programas de mísseis balísticos e nuclear da Coreia do Norte.

"Espero que não se produzam ações unilaterais como aquelas que vimos recentemente na Síria", declarou o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, numa conferência de imprensa em Moscovo após uma reunião com o homólogo senegalês, Mankeur Ndiaye.

Lavrov referia-se ao bombardeamento de uma base síria por parte dos Estados Unidos, em resposta a um ataque com armas químicas atribuído ao regime de Bashar al-Assad.

"Nós não aceitamos as aventuras nucleares e balísticas de Pyongyang que violam as resoluções da ONU, mas isso não quer dizer que seja possível violar o direito internacional e utilizar a força" contra a Coreia do Norte, realçou o chefe da diplomacia russa.

O vice-presidente norte-americano declarou hoje, numa visita à zona desmilitarizada (DMZ) que separa as suas Coreias, que os EUA querem obter uma solução através de "meios pacíficos, graças à negociação", mas que "todas as opções estão em cima da mesa" para lidar com Pyongyang.

Apelou ao regime norte-coreano para não testar a "determinação" do Presidente Donald Trump sobre a questão do nuclear, nem o poder do exército americano.

"Se interpretarmos esta formulação como uma ameaça de utilização da força de forma unilateral (...), então vamos mesmo por um caminho perigoso", declarou Lavrov.

Veja as imagens raras da vida na Coreia do Norte

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado

Outros conteúdos GM