Mundo

Estado Islâmico executa oito dos seus combatentes

Estado Islâmico executa oito dos seus combatentes

O grupo extremista Estado Islâmico executou na semana passada oito dos seus combatentes holandeses, acusados de tentativa de deserção e de rebelião, afirmou a organização "Raqa massacrada em silêncio".

"O Daesh (autoproclamado Estado Islâmico) executou oito combatentes holandeses na sexta-feira em Maadan, na província de Raqa, Síria, depois de os ter acusado de tentativa de deserção e de rebelião", afirmou à agência noticiosa AFP através do Twitter Abu Mohammad, um dos responsáveis daquela organização não-governamental.

No mês passado, houve tensões entre 75 combatentes holandeses do grupo extremista Estado Islâmico, agrupados em Raqa, e iraquianos e membros dos serviços secretos do Daesh.

Aqueles últimos prenderam três holandeses, por suspeita de tentativa de fuga, tendo um deles sido morto durante o interrogatório.

A direção do Estado Islâmico enviou um delegado para Raqa para tentar resolver o problema com os holandeses, que já tinha assassinado um outro para vingar a morte do terceiro holandês.

A alta direção do Estado Islâmico decidiu executar oito holandeses, explicou a organização não-governamental.

O Observatório dos Direitos Humanos sírio não confirmou as execuções, mas disse que três combatentes originários do Magrebe, mas com nacionalidade europeia, foram executados.

Segundo os serviços de informação holandeses, que também não confirmaram as execuções, 200 holandeses, entre os quais 50 mulheres, juntaram-se ao grupo extremista Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado