Mundo

EUA, Reino Unido, França e NATO felicitam anúncio da libertação

EUA, Reino Unido, França e NATO felicitam anúncio da libertação

Os Estados Unidos, Reino Unido, França e a NATO felicitaram a Líbia, no dia em que o líder transitório declarou oficialmente a libertação do país após oito meses de confrontos e três dias após a morte de Muammar Kadafi.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saudou este domingo o início de uma "nova era promissora" com a proclamação da libertação do país, pronunciando-se a favor de uma "reconciliação nacional" após os 42 anos de uma "ditadura brutal" do ex-líder Muammar Kadafi e de oito meses de conflito.

"Regozijamo-nos por trabalhar com o Conselho Nacional de Transição (CNT) e com um Governo de transição forte, na altura em que se preparam para as primeiras eleições livres e justas", escreveu o presidente norte-americano numa declaração citada pela agência noticiosa francesa AFP, prometendo que os Estados Unidos irão "ajudar a promover uma transição estável e democrática".

"Em nome do povo americano, felicito o povo da Líbia neste dia histórico de proclamação da libertação", disse.

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, William Hague, saudou também o anúncio oficial da libertação da Líbia como uma "vitória histórica do povo líbio", que exorta a construir uma sociedade que respeite o Direito.

"A tomada de Sirte, a morte de Kadhafi e a declaração da libertação nacional representam uma vitória histórica do povo líbio e um momento decisivo na sua luta pela liberdade", afirmou o ministro num comunicado citado pela AFP, saudando também a confirmação do CNT de que irá promover eleições democráticas.

O chefe da diplomacia francesa, Alain Juppé, também saudou "a coragem, unidade e dignidade do povo líbio", quando decorria em Benghazi a cerimónia de proclamação da libertação.

"O período de ditadura, violência e de divisões terminou", afirmou Alain Juppé, numa declaração pública em Paris, acrescentando que a França "tem confiança nas novas autoridades líbias" para colocar em funções um governo de transição representativo.

Por sua vez, o secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, qualificou de "grande vitória do povo líbio" a proclamação da libertação do país pelas novas autoridades.

"Felicito vivamente o anúncio feito pelo Conselho Nacional de Transição segundo a qual a Líbia está actualmente completamente libertada. Trata-se de uma grande vitória para o povo da líbia", declarou o líder na NATO, num comunicado citado pela AFP.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado