Mundo

Ataque suicida do Estado Islâmico matou nove alemães na Turquia

Ataque suicida do Estado Islâmico matou nove alemães na Turquia

Pelo menos 10 pessoas, nove delas de nacionalidade alemã, morreram e 15 ficaram feridas, esta terça-feira, após uma explosão, na praça de Sultanahmet, no centro histórico de Istambul, perto da basílica Sainte-Sophie e da Mesquita azul

As autoridades turcas suspeitam de ataque terrorista na origem da explosão, em Istambul, que fez pelo menos 10 mortos, nove alemães e um norueguês, e 15 feridos, na maioria de nacionalidade alemã.

"Suspeitamos de uma origem terrorista", declarou um responsável do governo turco à agencia de notícias francesa AFP, sob anonimato, confirmando os inúmeros relatos de testemunhas que se encontravam no local".

Segundo a BBC, o ataque terá sido perpetrado por um elemento associado ao Estado Islâmico.

Ainda não é conhecida a causa da explosão, mas um testemunho avançado pela emissora turca nacional assegura que "parecia tratar-se de um atentado suicida, muito próximo do obelisco egípcio na Esplanada da Mesquita", na praça de Sultanahmet, naquele popular e turístico bairro de Istambul.

Uma testemunha disse à agência de notícias Reuters que viu corpos despedaçados no local. Um polícia de rua confirmou a versão ao repórter da Reuters.

A detonação, violenta, foi ouvida e sentida pelas 10.18 horas locais (8.18 horas em Portugal continental) na praça Taksim, a vários quilómetros de distância de Sultanahemet, confirmou à agência de notícias francesa AFP uma testemunha que se encontrava naquele local.

Várias ambulâncias e a polícia chegaram rapidamente ao local onde se deu a explosão, segundo as imagens que os canais de televisão turcos estão já a transmitir.

A zona foi isolada pela polícia, tendo o trânsito nas ruas adjacentes sido cortado como medida de precaução, acrescenta a cadeia televisiva CNN-Turquia.

A Turquia vive há vários meses em estado de alerta depois do duplo atentado suicida que fez 103 mortos, em outubro passado, à frente da estação de comboios central de Ancara.

O duplo atentado aconteceu cerca de três semanas antes das eleições legislativas antecipadas turcas (agendadas para 1 de novembro), tendo o Governo decidido decretar três dias de luto nacional.

Em Istambul, pelo menos 10 mil pessoas foram a 10 de outubro para as ruas para contestar e atribuir responsabilidades pelo atentado ao Governo turco, exibindo uma grande faixa com a frase "Conhecemos os assassinos" e apupando o Presidente islâmico-conservador turco, Recep Tayyip Erdogan, e o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), no poder desde 2002, segundo o testemunho de um repórter fotográfico da agência noticiosa AFP.

Conteúdo Patrocinado