União Europeia

Grécia recusa tornar-se "um armazém de pessoas"

Grécia recusa tornar-se "um armazém de pessoas"

A Grécia recusa tornar-se o "Líbano da Europa" e ficar no seu território com milhões de migrantes e refugiados, segundo declarações do ministro das Migrações grego em Bruxelas.

Falando antes de uma reunião de ministros europeus da Justiça e do Interior, Yannis Mouzalas criticou o que chamou de "ações unilaterais" tomadas por outros países da União Europeia (UE) que afetam o seu país.

"Um grande número [de países] aqui reunido tentará discutir como lidar com uma crise humanitária na Grécia que eles próprios tencionam criar", afirmou aos jornalistas.

O governante reforçou que "a Grécia não aceitará ações unilaterais" e que também as pode tomar. "A Grécia não aceitará tornar-se o Líbano da Europa, um armazém de pessoas, mesmo com fundos europeus", declarou.

Quatro milhões de pessoas fugiram da guerra civil na Síria para os países vizinhos, segundo as Nações Unidas, que contabiliza um milhão de refugiados no Líbano.

A Grécia é o principal ponto de entrada de migrantes na UE, a maior parte deles atravessando o Mar Egeu para chegar às ilhas gregas.

Atenas tem sido atacada por alegadamente deixar passar os migrantes para o resto da Europa, mas criticou a resposta dos parceiros europeus à crise.

Yannis Mouzalas criticou particularmente os países dos Balcãs, que na quarta-feira acordaram uma série de medidas de controlo de fronteiras que afetam a Grécia.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado