Bélgica

Seis detenções em novas operações em Bruxelas

Seis detenções em novas operações em Bruxelas

Esta quinta-feira à noite realizaram-se várias operações policiais em Bruxelas, tendo sido encerrados alguns quarteirões perto da sede da Comissão Europeia. Houve seis detenções.

As operações policiais desta noite decorreram nas comunas de Bruxelas, Jette e Schaerbeek. Começaram pouco depois das 21 horas (20 horas em Portugal continental) e mobilizaram diversos meios das forças de segurança, nomeadamente unidades especiais de intervenção e um helicóptero.

A Imprensa belga avança que o objetivo era chegar a pessoas que estarão associadas aos atentados de terça-feira no aeroporto de Zaventem e no metro de Maelbeek.

Três homens foram detidos quando estavam num veículo em frente à Procuradoria federal, no centro da capital belga. Outras duas detenções ocorreram em Jette e mais uma pessoa foi detida em Bruxelas. Em Schaerbeek não houve detenções.

"Amanhã (sexta-feira) vai ser decidido se estas pessoas vão ser acusadas", indicou um porta-voz da Procuradoria, Eric Van Der Sypt.

Segundo constatou a Lusa perto da sede da Comissão Europeia, eram visíveis carrinhas da polícia e operacionais vestidos integralmente de negro. Fontes no local fizeram circular a informação de que estará uma equipa de análise e desativação de explosivos naquela zona.

Estas operações decorrem dois dias depois dos dois atentados em Bruxelas, que fizeram 31 mortos e 300 feridos, e no mesmo dia que o nível de alerta antiterrorista baixou para o nível três.

Cerca das 22 horas locais (21 em Portugal continental) o perímetro de segurança foi reduzido. Os agentes policiais questionaram os populares presentes se eram moradores da zona e, perante uma prova de identificação, as pessoas puderam regressar às respetivas habitações.

Quando o perímetro de segurança foi reduzido, a carrinha da equipa de destruição de explosivos estacionou em frente a um prédio e foram notadas outras movimentações de operacionais vestidos integralmente de branco.

À espera de entrarem nas suas casas estavam, por exemplo, uma mãe com uma criança ao colo, que foi encaminhada para uma carrinha da polícia para se proteger do frio e da chuva miudinha que caía em Bruxelas àquela hora.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado