Mundo

Presidente turco quer reforçar o seu poder

Presidente turco quer reforçar o seu poder

O chefe de Estado turco, Recep Tayyip Erdogan, defendeu esta quinta-feira a convocação de um referendo para alterar a Constituição e garantir o reforço dos poderes presidenciais, mas rejeitou tratar-se "de um assunto pessoal".

"Pensamos que o sistema parlamentar na Turquia está sem fôlego. Pensamos que a Turquia necessita de um sistema presidencial", declarou Erdogan num discurso em Ancara perante membros da sociedade civil.

"Quero corrigir uma incompreensão: o sistema presidencial não é um assunto pessoal de Recep Tayyip Erdogan", sublinhou.

O chefe de Estado acrescentou que "o parlamento pode pronunciar-se mas o povo deve ser consultado de seguida", reforçando que "a decisão final cabe ao povo, não aos deputados".

Após a sua eleição para a presidência da Turquia por voto direto em 2014, Erdogan -- previamente na chefia do Governo islamita-conservador dominado pelo Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP) durante 11 anos --, sugeriu a alteração da Constituição aprovada na sequência do golpe de Estado militar de 1980, que concede ao primeiro-ministro o essencial do poder executivo.

Os críticos do atual regime turco consideram a sua insistência como uma nova manifestação de deriva autoritária.

"Os que esperam que um Presidente eleito pelo sufrágio popular permaneça sentado não compreenderam nada sobre este país", argumentou Erdogan.

O AKP voltou a conseguir a maioria absoluta nas legislativas antecipadas de 01 de novembro e conquistou 317 dos 550 deputados, o que não garante a maioria qualificada necessária para organizar um referendo ou votar uma reforma constitucional.

Na próxima semana, prevê-se que uma comissão 'ad hoc' inicie as discussões sobre as alterações à Constituição.

Os três partidos da oposição representados no parlamento já manifestaram o seu apoio a uma reforma, mas opõem-se a um regime presidencialista. Em 2013, uma anterior comissão parlamentar não conseguiu o necessário consenso sobre uma nova Constituição.

Conteúdo Patrocinado