Saúde

Teoria antivacinas revolta família de jovem morta pelo sarampo

Teoria antivacinas revolta família de jovem morta pelo sarampo

A teoria de que a mãe de Inês Sampaio - a jovem que morreu anteontem, no Hospital da Estefânia (Lisboa), vítima de sarampo - é antivacinas e que, por isso, a jovem de 17 anos não foi imunizada por opção dos pais causou grande indignação junto da família e da comunidade escolar da Secundária de Santa Maria, em Sintra.

Fonte próxima da família garantiu ontem ao JN que a adolescente só não recebeu esta vacina "a conselho médico, depois de ter sofrido um choque anafilático em reação a outra vacina" e que "não há, nem nunca houve, por parte da mãe ou outro membro da família", qualquer preconceito contra a vacinação das crianças.

Leia mais na versão e-paper ou na edição impressa.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado