Parlamento

Governo admite fixar Salário Mínimo nos 557 euros se não houver acordo

Governo admite fixar Salário Mínimo nos 557 euros se não houver acordo

António Costa disse, esta quarta-feira, no Parlamento, que o Governo poderá vir a fixar o Salário Mínimo Nacional nos 557 euros, caso não saia fumo branco das negociações da Concertação Social.

O primeiro-ministro disse que o Executivo aguarda as propostas dos parceiros sociais até 19 de dezembro, dia para o qual está marcada uma nova reunião no Conselho Económico e Social (CES).

Costa avisou que Governo poderá "avançar sem acordo", caso não se chegue a um consenso com os parceiros.

Em resposta ao líder do PCP, Jerónimo de Sousa, que questionou quanto à possibilidade de o Salário Mínimo Nacional (SMN) chegar aos 600 euros já em janeiro, o primeiro-ministro disse que os 557 euros não só estão estabelecidos no Orçamento do Estado, como o programa de Governo estabelece que até 2019 o SMN chegue aos 600 euros.

Numa entrevista ao JN, publicada no último domingo, o presidente do CES, Correia de Campos, admitiu que "se não houver acordo no Salário Mínimo não há catástrofe", ainda que fosse preferível um consenso como mensagem de confiança para os investidores.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado